SHODÔ: Japan House São Paulo traz a ‘luz’ e a ‘energia’ das obras de Shoko Kanazawa

Depois da exposição ‘Embalagens: Designs Contemporâneos do Japão’, que prossegue em cartaz até o dia 14 de março, a Japan House São Paulo apresenta agora “Dô: O caminho de Shoko Kanazawa”. Aberta para o público nesta terça-feira, 2, a mostra reúne 11 obras de um dos principais nomes da atualidade no Japão em matéria de caligrafia japonesa, uma manifestação poética e filosófica extremamente conhecida e popular naquele país. Na mostra são exibidas obras em que Shoko Kanazawa utiliza técnicas e saberes milenares e os atualiza, trazendo seus conceitos para a contemporaneidade.
Segundo o presidente da JHSP, Eric Klug, “Dô: O Caminho de Shoko Kanazawa” é a terceira exposição da instituição a abordar a expressão da filosofia “Dô”, considerado essencial para compreender o Japão. A primeira foi “Dô: a caminho da virtude”. A mostra, que procurou desvendar a história, técnica e filosofia de seis das artes marciais japonesas – o Aikidō, Kendō, Karatedō, Judō, Sumō e Kyudō – ficou em cartaz no centro cultural entre agosto e setembro e reuniu fotos, vídeos, palestras e demonstrações práticas.
A segunda exposição com o tema foi “Dô – A Caminho da Serenidade”, realizada em parceria com a Associação de Ikebana do Brasil entre junho e agosto de 2019 com o intuito de divulgar esta prática no país.
“O Dô é este caminho que implica num aperfeiçoamento e é uma grande honra para nós ter esta jovem artista, que é um grande nome desta arte e que imprime tanto da sua vida pessoal na arte”, explica Eric Klug, lembrando que Shoko Kanazawa é portadora de síndrome de Down e importante figura na luta pela causa de pessoas com deficiência.

Eric Klug e o cônsul Ryosuke Kuwana conversam sobre a mostra (Aldo Shiguti)

Sem Barreiras – “Ela lança um um olhar muito positivo e que é muito adequado para o momento de hoje, em que a gente precisa ter muita esperança. Isso é muito visível na sua arte. Ela fez diversas obras e uma delas foi feita especialmente para esta exposição aqui na Japan House São Paulo, Hikari, que fala de luzes, tão necessárias metaforicamente e literalmente neste mundo de hoje”, conta Eric, acrescentando que é a primeira vez que a artista expõe na JHSP.
“Infelizmente, por conta da pandemia, não foi possível trazê-la ao Brasil como costumamos fazer nestas ocasiões”, lamenta, destacando que, no ano passado, a instituição participou do projeto Sem Barreiras – Festival de Acessibilidade e Artistas com Deficiência, criado pela Secretaria Municipal da Pessoa Com Deficiência em parceria com a Secretaria Municipal de Cultura e apoio de diversas instituições culturais, entre elas a JHSP.
“A convite da Japan House, ela gravou um vídeo especialmente para o festival em que mostra um pouco sobre seu processo de trabalho”, diz Eric. “Trata-se de uma oportunidade não só de ver as obras que estão expostas aqui mas também de entender um pouco como funciona sua performance de shodô, que é um shodô de grandes dimensões e envolve uma participação corporal, quase como se fosse uma dança e que resulta em um kanji escrito”, conta Eric, lembrando que o vídeo em questão está disponível no site da JHSP.
Ele explica que esta exposição foi montada especialmente para a Japan House São Paulo e que não há previsão que vá percorrer as casas localizadas em Londres e Los Angeles. Mas argumenta que gostaria que isso acontecesse. “Achamos que seria muito bonito num momento de tanta escuridão trazer um pouco de luz, desta tranquilidade e desejos positivos para o futuro para todas as cidades”, finaliza o presidente.

Energia – A exemplo da exposição “Embalagens: Designs Contemporâneos do Japão”, o cônsul geral do Japão em São Paulo, Ryosuke Kuwana também esteve no Press Day, dia em que a casa abre apenas para jornalistas e convidados.
Ryosuke Kuwana explicou ao Jornal Nippak que, no Japão, é comum as crianças aprenderem shodô nas escolas. “Pessoalmente, eu não sou muito bom, mas é uma arte que é muito próxima da vida cotidiana do japonês porque nós utilizamos muito o kanji”, disse o cônsul, destacando que as obras de Shoko Kanazawa “têm uma energia muito forte”, o que torna mais fácil a sua compreensão mesmo para quem não entende o idioma japonês. “Cada obra vem acompanhada de uma explicação bastante boa e assim é possível captar a ideia e sentir o espírito de cada obra”, explicou o cônsul, afirmando que, “além disso, as palavras que são motivos das obras, são bem japonesas, como a ichigo ichie, que representa um espirito do povo japonês”. “E espero que muitas pessoas, descendentes e não descendentes, possam vir conhecer esta exposição”, disse Ryosuke Kuwana.

Artista é um dos principais nomes desta arte atualmente no Japão (divulgação)

Sobre Shoko Kanazawa – Artista com síndrome de Down, Shoko Kanazawa nasceu em Tóquio no ano de 1985, Shoko Kanazawa começou a estudar caligrafia aos 5 anos, com sua mãe, que lecionava Shodo para crianças. Ao longo do tempo, foi se destacando e sua produção ganhou notoriedade. Seu domínio das variações mais sutis da linha, das noções de composição e posicionamento das formas e também do uso da tinta, com suas saturações são notáveis.
Em 2005, Shoko Kanazawa realizou sua primeira exposição individual, aos 20 anos, chamada “The World of Caligraphy”, marco de sua produção, sendo de grande importância para a divulgação de seu trabalho por todo Japão.
Desde então, exibiu suas obras em templos japoneses muito conhecidos, como Kenchōji (Kamakura), Kenninji (Quioto) e Tōdaiji (Nara). Internacionalmente, já expôs em países como Estados Unidos (The Nippon Gallery, Nova York), República Tcheca e Singapura. Além disso, foi uma das convidadas para realizar um dos posters para a próxima Olimpíada, em Tóquio, e, em 2015, apresentou um discurso na sede da ONU em ocasião do Dia Internacional da Síndrome de Down.

‘DŌ: O caminho de Shoko Kanazawa’
Quando: Até 28 de fevereiro.
Piso Térreo
Entrada gratuita
Reserva online antecipada (opcional):
https://agendamento.japanhousesp.com.br/
Paralelalemente à exposição, a JHSP está preparando uma programação online com oficinas e vídeos.
Japan House São Paulo –
Avenida Paulista, 52
Horário de funcionamento:
Terça-feira a Domingo,
das 11h às 17h
Entrada gratuita

※Devido ao coronavírus, estamos funcionando com capacidade reduzida. Para mais informações, acesse o site da Japan House São Paulo.

Comentários
Loading...