SAQUÊS: Nippon Bebidas traz para o Brasil 5 tipos de Awamori, o saquê de Okinawa

Quem aprecia um bom destilado pode comemorar – com moderação, é claro. A Nippon Bebidas está trazendo para o Brasil o destilado mais antigo do Japão – com mais de 600 anos – o Awamori – ou saquê de Okinawa. Fabricado pela Mizuho, tradicional empresa de bebidas fundada em 1848, o Awamori diferencia-se dos saquês tradicionais do Japão pelo fato de o arroz ser fermentado e depois destilado enquanto os demais são apenas fermentados. O teor alcóolico também é um pouco mais elevado, podendo ultrapassar 60% de álcool. Os que chegaram ao Brasil em abril o teor alcóolico é mais “suave”, entre 25 e 30%..
“Conseguimos importar o Awamori de Okinawa com o apoio de muitas pessoas. De agora em diante nosso objetivo é divulgar essa bebida no Brasil”, disse Hiroshi Kawazoe da Nippon Bebidas, lembrando que ums dos que se empenharam em trazer o destilado ao país foi o ex-presidente da Associação Okinawa Kenjin do Brasil, Eiki Shimabukuro.
Eiki, por sua vez, explica que a ideia surgiu de uma preocupação: a sobrevivência dos kenjinkais. Depois de visitar outros países, como Argentina, Peru e Estados Unidos, Eiki ficou imaginando como as associações de províncias, em especial o Kenjinkai de Okinawa, poderiam arrecadar recursos sem depender exclusivamente de anuidades dos associados e de eventos.
“Na Argentina e no Peru, por exemplo, eles conseguem se manter graças à locação de espaços e no Havaí, eles adquiriram um terreno e construíram um mini-shopping. Então fiquei pensando que no Brasil poderíamos ter algo que nos conectasse com alguma coisa de Okinawa”, diz Shimabukuro, explicando que esteve em Okinawa em 2018, quando conversou diretamente com a dona da Mizuho.
“O problema é que a negociação demorou por conta de uma série de exigências da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Foi então que entrei em contato com Hiroshi Kawazoe, que já tinha uma empresa de bebidas e ele topou fazer a importação”, disse Shimabukuro, acrescentando que toda a documentação demorou cerca de 2 anos para ficar pronta
Para que a importação fosse concretizada, a Jetro teve um papel fundamental na coordenação dos documentos comerciais a serem apresentados ao governo brasileiro e entre a fabricante de awamori e a Nippon Bebidas.
Hiroyuki Saito, da Jetro, explica que a ideia é incluir o Awamori nos eventos dos restaurantes japoneses em São Paulo, para que o ‘Ryukyu Awamori’ se torne popular, agora que foi importado oficialmente. “Gostaria de continuar cooperando com os varejistas que negociam com alimentos japoneses para que eles possam vender o produto”, disse ele.
Kawazoe conta que “iniciamos esse processo em 2018 e estamos trabalhando nisso há mais de três anos”. “Estou feliz que Awamori de Okinawa seja agora reconhecido oficialmente no Brasil. Devo o sucesso desta importação ao encorajamento e orientações do Eiki Shimabukuro sobre documentos de importação e coordenação”.
Já Shimabukuro destaca que sem a ajuda de Kawazoe nada seria possível e já imagina os eventos pós-pandemia regados à Awamori.

Hiroyuki Saito, Hiroshi Kawazoe e Eiki Shimabukuro (divulgação)

Esta é a primeira vez que a bebida é importada oficialmente, o que inclui sua catalogação como como “Ryukyu Awamori” nos documentos de importação. “O que é encontrado no Brasil veio na bagagem de algum turista, mas importação em larga escala é a primeira vez”, conta Eiki, explicando que por muito pouco os okinawanos não ficavam sem sua tradicional bebida.
“Ocorre que na época da guerra as produções foram destruídas e para fazer o awamori é preciso de um fungo especial que não era encontrado em lugar nenhum. Esse fungo só foi encontrado em um tatami abandonado e aí foi possível reiniciar a produção”, disse Eiki, lembrando que em Okinawa também é costume os pais, quando os filhos nascem, adquirirem um barril de Awamori e só abri-lo quando o filho completar a maioridade, para que possam tomar juntos.

Os tipos – Conheça os cinco tipos de saquê de Awaomori que podem ser encontrados no Brasil

  • Ryukyu Awamori Koto Shuri (10 anos de idade, 25 graus, 720 ml)
  • Ryukyu Awamori Mild Mizuho (5 anos de idade, 25 graus, 720ml)
  • Ryukyu Awamori Mizuho (3 anos de idade, 25%, 1800ml)
  • Ryukyu Awamori Mild Mizuho (25 graus, 720ml)
  • Ryukyu Awamori Mizuho Gold (30 graus, 720ml).

Interessados em comprar ou vender este Awamori devem contatar o Hiroshi Kawazoe da Nippon Baby Das (Tel.: 11.4828.3611 / E-mail: nipponbebidas@yahoo.com).

Comentários
Loading...