Mesmo compacta, 18ª edição do Japan Fest de Marília supera expectativas

Praça de alimentação do Japan Fest ficou lotada na sexta-feira, primeiro dia do evento (divulgação)

Realizado nos dias 12, 13 e 14 deste mês na sede de campo do Nikkey Marília, a 18ª edição do Japan Fest marcou não só o início da retomada dos grandes eventos presenciais em Marília (SP) como também trouxe alento e esperança de dias melhores para os expositores. Muitos, como no caso de dona Geralda e de seu marido, Fernando, moradores de São Manuel – cidade próxima à Botucatu – e que trabalham com a fabricação e venda de doces cristalizados, estavam parados desde janeiro de 2020. O último evento que haviam participado tinha sido em Valinhos, também no interior paulista. “Ficamos muito otimistas e esperançosos com essa retomada”, disse dona Geralda à reportagem do Jornal Nippak. E a expectativa também era grande entre os artistas. Como foi o caso da cantora Karen Ito, que se emocionou ao voltar a subir num palco de um matsuri e cantar presencialmente diante do público.
De acordo com Carlos Nakamura, um dos coordenadores da festa, o Japan Fest deste ano teve um formato diferente, mais compacto que o de costume– sem a exposição de ikebana e o parque de diversões – mas mantendo todas as atrações culturais dos ano anteriores.
Apesar disso, a presença de público surpreendeu. Como constatou o Jornal Nippak na sexta-feira, 12, primeiro dos três dias de festa, quando o evento recebeu um número de visitantes acima do esperado pelos organizadores
“Foi um recomeço. Nosso objetivo era realizar um evento para celebrar o retorno das atividades presenciais em Marília e o fizemos com muito trabalho de toda a equipe para que todas as orientações exigidas pelas autoridades sanitárias fossem seguidas à risca, evitando assim qualquer tipo de problema”, explicou Nakamura, lembrando que “assim mesmo conseguimos atingir nosso objetivo, que era atingir 50% do público de uma edição normal do Japan Fest”.
Para o presidente do 18º Japan Fest, Keniti Mizuno, a torcida para que o evento desse certo era grande. “Foi um desafio enorme porque sabemos que a pandemia existe e vai persistir por muitos anos. Mas a gente também não pode ficar na zona de conforto, e de vez em quando precisamos chamar um pouquinho da responsabilidade para nós. Não podemos ser omissos, mas vamos trabalhar em cima dos protocolos. Nós achávamos que tínhamos condições de realizar o evento e, por outro lado, o público também quer sair, com critérios. Acho que foi muito importante para a comunidade e para a cidade termos dado esse primeiro impulso”, disse Mizuno, que agradeceu também os voluntários “nosso maior patrimônio”, o governo do Japão, “que tem apoiado muito a divulgação da cultura e da tradição japonesa incentivando o turismo em seu país”, e às Prefeituras de Higashihiroshima e Izumisano, cidades irmãs de Marília.

Protocolos – Acompanhado da primeira dama do município e presidente do Fundo Social de Solidariedade de Marília, Selma Regina Mazzuchelli Alonso, o prefeito Daniel Alonso explicou que o Japan Fest vai servir de exemplo para outros eventos de Marília.
“É importante destacar que a realização do Japan Fest só foi possível graças ao avanço da vacinação. Marília está hoje com cerca de 82% da população vacinada com a segunda dose e os nossos índices de ocupações hospitalares estão entre 5 e 15%”, disse o prefeito, lembrando que também foram criados protocolos sanitários para o evento, como o controle de público e a apresentação do comprovante de vacinação, além do uso obrigatório de máscara.
“Apesar de algumas limitações, é uma oportunidade que a família mariliense tem de estar aqui novamente depois de quase dois anos e matar a saudade da festa e de tudo aquilo que ela proporciona, principalmente por ser uma festa da família, da solidariedade e do amor”, observou Alonso, destacando o espírito social da festa, cuja cobrança de ingresso foi revertida na contribuição de um quilo de alimento não perecível doado ao Fundo Social de Solidariedade de Marília.
Também presente na cerimônia de abertura, o ex-deputado federal e atualmente presidente da Jucesp (Junta Comercial do Estado de São Paulo), Walter Ihoshi, ressaltou que o Japan Fest é um dos três grandes eventos da comunidade nipo-brasileira – ao lado do Festival do Japão e do Akimatsuri de Mogi das Cruzes – e que o Nikkey de Marília tomou todas as precauções para que o evento pudesse ser realizado. “Para mim é uma honra e uma alegria muito grande ser descendentes de japoneses da segunda geração e poder prestigiar esta festa em Marília, cidade que me acolheu e que aprendi a admirar. A comunidade nipo-brasileira, que é um exemplo de garra, de determinação e de valores, mais uma vez dá o exemplo no dia de hoje e nos oferece este grande evento”, afirmou.

Privilégio – O presidente da Câmara Municipal de Marília e aniversariante do dia, vereador Marcos Rezende, parabenizou a diretoria do Nikkey Clube de Marília e lembrou que a cidade vive hoje “um momento diferenciado do resto do pais”. “Enquanto o Brasil vive uma crise de petróleo, acaricia o aumento da cesta básica, da alimentação, e do desemprego, Marília vive um patamar diferenciado com geração de novos empregos, novos corredores comerciais, uma cidade que resolveu o tratamento de esgoto, iluminou a cidade com lâmpadas de led, gerando uma redução de economia de 60% e com novas praças de atendimento. Enfim, a nossa cidade, vive e respira um bom momento”, comemorou Rezende, lembrando que a comunidade nipo-brasileira de Marília, “contribuiu, contribui e tenho certeza que continuará contribuindo muito para o desenvolvimento da nossa cidade”.
Já o deputado estadual Vinicius Camarinha (PSB) disse que “Marilia foi privilegiada por receber os primeiros imigrantes japoneses, ainda em 1926. “Imigrantes que chegaram aqui para construir suas vidas. chegaram para ajudar a construir o pais e Marilia, como todas as outras cidades, acolheu os nipo-brasileiros e hoje a gente colhe os resultados desta amizade. Colhemos os resultados, no comércio, na agricultura, na indústria e nos serviços, enfim, se hoje nós temos uma cidade desenvolvida e progressista, nós devemos muito à comunidade japonesa., que contribui para esse progresso e desenvolvimento”, disse o parlamentar, afirmando que “esta festa é a celebração de tudo isso, a celebração da amizade, do progresso e da união dos povos representados num só, o brasileiro”.

Homenagens – Também fez uso da palavra o coronel Mário Sergio Nonato, comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar do Interior. O cônsul geral do Japão em São Paulo, Ryosuke Kuwana, os prefeitos das cidades japonesas de Higashihiroshima e Izumisano e o presidente do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), Renato Ishikawa, enviaram mensagens exibidas no telão.
Estiveram presentes ainda na cerimônia de abertura, secretários municipais e vereadores, além do major Wilson de Góes Júnior, do Corpo de Bombeiros.
Antes dos discursos, foi prestado um minuto de silêncio em homenagem às famílias vítimas da covid-19.
A Comissão Organizadora do Japan Fest também homenageou cinco personalidades que se destacaram na área da saúde, social e educação ao longo dos anos e em especial nos últimos dois anos no enfrentamento à covid-19.
Para representar “todos aqueles que fizeram a diferença, contribuindo com seu trabalho, experiência e espírito altruísta, nessa missão de amor ao próximo e amor à vida”, foram homenageados: o diretor geral da Faculdade de Medicina de Marília, Valdeir Fagundes de Queiroz; Marcia Mesquita Serva Reis, do Hospital Beneficente da Unimar; Tadaumi Tachibana, da Associação dos Amigos Solidários de Marília; o médico intensivista da Santa Casa de Misericórdia, Hugo Victor Coca Jimenez Carrasco; e a presidente do Fundo Social de Solidariedade de Marilia, Selma Regina Mazzuchelli Alonso.

O apresentador Kendi Yamai com as vencedoras do Miss Nikkey (divulgação)

Miss – O primeiro dia do Japan Fest foi encerrado com o Miss Nikkey, apresentado por Kendi Yamai. A estudante Julia Gonçalves Shiraishi, de 17 anos, da cidade de Pompeia, foi eleita a Miss Nikkey. A festa prosseguiu no sábado e domingo com apresentação de taiko, atrações regionais e cantores, como Karen Ito e Joe Hirata, Durante os três dias o público pode apreciar diversos pratos típicos da culinária japonesa.
Uma realização do Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Cultura e Economia Criativa, o Japan Fest contou com apoio do Proac (Programa de Ação Cultural – São Paulo) e parcerias da Sasazaki, Dori Alimentos, Supermercados Kawakami e Prefeitura de Marília.
(O jornalista Aldo Shiguti viajou a convite da organização da festa)

Comentários
Loading...