KOTATSU: Para frios intensos e gélidos, a mesa-cobertor japonesa é o aconchego que oferece união e conforto

Interior esconde uma criatividade que impressiona e aquece os corpos e as almas (divulgação)

Com o surgimento dos dias frios, levantar da cama se torna um desafio, sair do banho, uma tortura, e a coberta e as bebidas quentes se transformam em um alívio tão grande que não há quem conteste. E quem dirá os japoneses que até mesmo criaram o kotatsu que surpreende com sua estrutura de mesa-cobertor, sendo que em seu interior esconde uma criatividade que impressiona e aquece os corpos e as almas de quem sofre com as baixas temperaturas.
Para muitas pessoas, os climas abaixo de zero repletos de neve ainda são extremamente romantizados devido à referência de diversos filmes e séries ocidentais que apresentam uma ideia de momento de diversão, união e bonecos de neve. Não que esse conceito esteja completamente errado, já que é um período único e ideal para algumas atividades, contudo uma coisa é certa: o friozinho faz com que todos gritem por um conforto quentinho, desde um abraço aos chocolates quentes da manhã ou da noite.
Pensando nas dificuldades de sobreviver aos tempos gélidos e se inspirando em algumas ideias geniais que aquecem e aconchegam, foi projetado o kotatsu que une o útil ao agradável, tornando o frio um momento a ser aproveitado na tranquilidade do lar, em família ou com amigos.

Surgimento do kotatsu
A história do kotatsu dá diversas voltas no tempo, pois sua estrutura tradicional e popular da era moderna foi vista pela primeira vez por volta do século XVII, mas suas primeiras criações surgiram ainda no século XIV, com base no irori (lareira elaborada no meio de pisos das residências japonesas, utilizada para o cozimento dos alimentos).
A primeira versão do móvel foi o yagura kotatsu (kotatsu torre) que se tratava de uma moldura elaborada ao redor da lareira do irori que permitia a adição de um edredom em seu topo, evitando que o tecido encostasse no fogo e provocasse um incêndio, ao mesmo passo que garantia um aquecimento local do ambiente e das pessoas próximas. Assim começou o projeto em busca do produto perfeito para o aquecimento do corpo com baixo investimento, já que as casas orientais possuem paredes com pouco isolamento térmico.
Sua segunda versão foi o horigatsu, traduzido por “kotatsu oco”. É conhecida como uma das melhores mesas-cobertores indicadas aos estrangeiros, embora seja incomum nos dias atuais, isso porque é um móvel que se encontra acima de um buraco aquecido no assoalho, permitindo que o indivíduo sente da mesma forma que sentaria em uma cadeira, mantendo as pernas livres do peso do próprio corpo. Com essa nova invenção, os japoneses finalmente puderam se cobrir e se aquecer com mais eficiência, visto que finalmente poderiam cobrir suas pernas.
Não bastando todos os avanços, ainda foi necessário mais um e talvez uma das mudanças mais importantes do objeto: sua portabilidade, conquistada no século XVIII com a produção do okigotatsu (kotatsu colocado), que não dependia mais de uma abertura no piso de um ambiente, permitindo sua colocação onde desejar.
O problema de todos esses modelos, porém, era o uso do carvão que possibilitava o risco de incêndios e a morte por inalação de monóxido de carbono, algo que acometia principalmente crianças pequenas. Logo surgiu o kotatsu elétrico que, além de portátil, oferece mais segurança e conforto.

Vantagens e desvantagens
Com uma estrutura coberta por um edredom, um tampo de madeira e um mecanismo elétrico de aquecimento, o kotatsu tem executado sua função com louvor, proporcionando a calefação local nas residências orientais, ao mesmo passo que se torna o ambiente perfeito para diversos afazeres, passatempos e reunião familiar, tais como: dever de casa, jogo de cartas, assistir televisão, realizar refeições ou apenas descansar e aproveitar o calor emitido pela mesa-cobertor que cria um clima de parceria e tranquilidade tanto pela sua projeção que mantém as pessoas unidas quanto pelo seu funcionamento.
Apesar disso, até mesmo esse móvel possui alguns pontos negativos, como por exemplo: a posição sugerida em que o indivíduo deve permanecer — seiza (forma tradicional japonesa de se sentar ajoelhado, apoiando o bumbum nos calcanhares) —, o calor concentrado apenas em algumas partes do corpo e até mesmo a contraindicação para noites bem dormidas embaixo da mesa, visto que pode causar queimaduras, caso a pele encoste na armação, e provocar resfriados devido a parte superior do corpo se encontrar descoberta.
A questão do aquecimento desigual, contudo, é facilmente contrariada, pois, antigamente, com o uso de quimono as pessoas se esquentavam quase que por completo, uma vez que o ar quente adentrava pela roupa. Assim, atualmente, isso ainda é possível com a utilização de quimonos ou roupões.
De qualquer modo, havendo vantagens ou desvantagens, o kotatsu ainda é uma saída perfeita para muitas famílias, sendo visto no inverno para o aquecimento e nas outras estações para o uso habitual, bastando apenas tirar o edredom e manter seu mecanismo desligado, o transformando em uma simples mesa.

Kotatsu nos estabelecimentos
Ao observar um amante do kotatsu, se torna compreensível a frase que com frequência o compara a um caracol, já que o móvel parece fazer parte do corpo do indivíduo que costuma se afastar ou se levantar apenas para as necessidades extremas, como por exemplo ir ao banheiro, assim como os gatos que adoram o calor emitido e se mantêm unidos aos donos embaixo da mesa, protegidos do frio.
A partir de 1970, houve o crescimento do uso de ar condicionado nos lares do Japão, criando uma nova forma de controlar a temperatura da residência de maneira prática e eficaz, tanto nos dias quentes quanto nos frios. Logo nem mesmo os baixos preços das mesas-cobertores foram o suficiente para manter a tradição firme e forte entre os japoneses, gerando uma rápida queda na compra.
Com o intuito de manter a cultura e proporcionar uma nova atmosfera aos turistas e aos moradores do arquipélago, há restaurantes, livrarias e pousadas que adicionaram os kotatsus, irori ou horigatsu aos seus estabelecimentos, fornecendo uma experiência única, aconchegante, divertida e inesquecível.
(Mariana Kisaki)

Comentários
Loading...