Instituto Butantan é hoje o principal produtor de imunobiológicos do Brasil

Instituto desenvolve atualmente a produção da CoronaVac (divulgação)

“O Instituto Butantan trabalha, há 120 anos, a serviço da vida e da ciência. Nosso objetivo é realizar ações efetivas de combate a pandemia contra o Covid-19, por meio da imunização de toda a população do Brasil e de outros países”. A declaração é do presidente do Butantan, Dimas Covas, e reflete bem a importância do instituto no cenário atual. Uma importância, aliás, que remonta desde 1899, quando o Instituto Butantan iniciou suas atividades devido a um surto de peste bubônica. Tal surto, a partir do porto de Santos, resultou na criação de um laboratório de produção de soro antipestoso para combater a doença, vinculado ao Instituto Bacteriológico (atual Instituto Adolfo Lutz).
Em fevereiro de 1901 o laboratório, instalado na Fazenda Butantan (zona Oeste de São Paulo), foi reconhecido como instituição autônoma sob o nome de Instituto Serumtherápico. O primeiro diretor do Instituto Butantan foi o médico Vital Brasil Mineiro de Campanha, um estudioso dos problemas da saúde pública na época.
Mais de meio século depois de sua fundação, o Instituto Butantan se destaca como um centro de pesquisas biomédicas, que integram pesquisas científicas e tecnológicas na produção de imunobiológicos e divulgação técnico-científica, buscando sempre atualizações e integração de seus recursos para a inovação da saúde pública.
Instituição pública ligada à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, do Governo do Estado de São Paulo desde sua fundação, o Butantan é hoje o principal produtor de imunobiológicos do Brasil, responsável por grande porcentagem da produção de soros hiperimunes e grande volume da produção nacional de antígenos vacinais, que compõem as vacinas utilizadas no PNI (Programa Nacional de Imunizações) do Ministério da Saúde. As atividades de desenvolvimento tecnológico na produção de insumos para a saúde estão associadas, basicamente, à produção de vacinas, soros e biofármacos para uso humano.
Atualmente, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac Life Science, do grupo Sinovac Biotech, o Instituto Butantan desenvolve atualmente a produção da CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus (COVID-19) que foi aprovada pela Anvisa para uso emergencial.

Conheça um pouco mais sobre as atividades desenvolvidas pelo Instituto Butantan:

  • Desenvolve estudos e pesquisa básica nas áreas de biologia e de biomedicina relacionados, direta ou indiretamente, com a saúde pública;
  • Realiza missões científicas no país e no exterior por meio das Organizações Mundial e Panamericana da Saúde, ONU (Organização das Nações Unidas) e da Unicef (Fundo Internacional de Emergência para a Infância das Nações Unidas);
  • Colabora para a melhoria da saúde global, com outros órgãos da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo e do Ministério da Saúde, no Brasil;
  • Atua em parceria com diversas universidades e entidades, tais como o NIH (National Institutes of Health) e Bill & Melinda Gates Foundation, na consecução de seus objetivos institucionais;
  • Desenvolve projetos de pesquisas básica e aplicada, tais como estudos sobre animais peçonhentos, agentes patogênicos, inovação e modernização dos processos de produção e controle de imunobiológicos, além de estudos clínicos, terapêuticos e epidemiológicos relacionados a acidentes causados por animais peçonhentos;
  • Mantém coleções científicas zoológicas e desenvolve atividades educacionais e culturais por meio de quatro museus: Museu Biológico, Museu Histórico, Museu de Microbiologia e o Museu de Saúde Pública Emílio Ribas;
  • Capacita alunos através de estágios em nível de iniciação científica (PIBIC/CNPq), programa de Especialização na área da saúde e pós-graduação (mestrado e doutorado). É responsável pelo Programa de Pós-Graduação stricto sensus em Toxinologia e, mais recentemente, pelo MBA Gestão da Inovação em Saúde, que apresenta todas as etapas e processos existentes entre pesquisa, inovação, patenteamento, produção e comercialização de produtos;
  • Oferece também cursos de extensão visando à formação de profissionais que possam ser multiplicadores de informações em saúde pública e cursos de aperfeiçoamento de curta duração, abordando temas como animais peçonhentos, insetos de importância médica, soros e vacinas destinados à comunidade em geral, estudantes, professores, militares, bombeiros, agropecuaristas, entre outros.
Comentários
Loading...