Hospital Japonês Santa Cruz assina parceria com a Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil; acordo prevê preços diferenciados

Mario Sato, presidente do Hospital Japonês Santa Cruz, e Toshio Ichikawa, presidente da Kenren (Aldo Shiguti)

Depois de anunciar, em maio deste ano, a mudança de nome, o Hospital Japonês Santa Cruz deu outro importante passo para consolidar de vez sua “volta às origens” com a realização, na manhã desta quarta-feira, 4, da Cerimônia de Assinatura da parceria do HJSC com a Kenren – Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil. O acordo possibilitará a todos os associados dos 47 kenjinkais (associações de províncias) utilizarem os serviços médicos e hospitalares do Santa Cruz mediante uma tabela com preços diferenciados.
Segundo o presidente do HJSC, Mario Sato, nesse primeiro momento, além de consultas e exames, será disponibilizado também um pacote de primeiros socorros no Pronto Atendimento.
O presidente da Kenren, Toshio Ichikawa, comemorou a parceria. Segundo ele, “é importante que todos saibam que o Hospital Japonês Santa Cruz nasceu da comunidade e, de alguma forma., está tentando retribuir”. “Trata-se de um benefício que o hospital está oferecendo e que agora está ao alcance de todos”, disse Ichikawa explicando que, “agora, cabe ao Kenren operacionalizar isso”.
Uma das ideias, revela, é confeccionar carteirinhas para para facilitar o atendimento. ‘Vamos precisar de um certo tempo para implementar, mas, de qualquer forma é um momento fantástico e uma oportunidade que está aberta todos”, destacou Ichikawa, acrescentando que, “com esse convênio, o HJSC volta suas atenções aos descendentes de todos os imigrantes que ajudaram a construir este hospital”. “Em nome de todos os presidentes dos 47 kenjinkais quero parabenizar o HJSC por esta iniciativa de oferecer os serviços médicos e hospitalares a condições diferenciadas a quem necessitar como forma de reconhecimento da sua origem”, disse o presidente da Kenren, que pretende divulgar a parceria junto aos kenjinkais da federação “para que desfrutem, quando necessário, dos serviços do Hospital Japonês Santa Cruz, que estará de braços abertos para recebê-los com um serviço médico de alto nível”.

Compromisso – O presidente do HJSC confirmou ao Jornal Nippak que o serviço deverá estar disponível em 30 dias. Para ele, “ao retomar o nome ‘Hospital Japonês Santa Cruz’, reforçamos nosso compromisso em estar ao lado do Japão na busca da qualidade da saúde dos imigrantes japoneses e seus descendentes bem como de todos os brasileiros”. “Compromisso esse que hoje se torna prático e vivo”, disse Mario Sato, lembrando que, em maio deste ano, por ocasião do aniversário de 82 anos da instituição, “anunciamos que, com apoio do governo japonês, por meio do Consulado Geral do Japão e da Jica, retomamos o projeto do Centro Oncológico do Hospital Japonês Santa Cruz, serviços que nos permitirá atender, além dos brasileiros, todas as pessoas que fazem parte da comunidade japonesa no Brasil”.

Omotenashi – A cerimônia contou ainda com a presença do presidente do Conselho Deliberativo do HJSC e presidente do Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social –, Renato Ishikawa; do representante chefe da Jica, Masayuki Eguchi; do vereador Aurélio Nomura; do presidente da Fundação Kunito Miyasaka, Roberto Nishio e do vice-presidente do Conselho Deliberativo do HJSC, Masato Ninomiya, além da Diretoria da instituição.
Em seu discurso, Renato Ishikawa explicou que esta parceria irá facilitar os associados da Kenren que desejarem utilizar os serviços do hospital”. “Para nós ainda é algo muito simbólico, mas esperamos que possamos aprofundar ainda mais esta parceria e futuramente oferecer um pouco mais de assistência à comunidade nikkei”, disse ele, lembrando que, durante os três mandatos que esteve à frente do hospital como presidente, procurou enfatizar a modernização de equipamentos e a infraestrutura, “mas acima de tudo, priorizamos o treinamento do pessoal”.
“Nós introduzimos aqui o atendimento humanizado, o qual chamamos de ‘Jeito Santa Cruz de Atender’, que se baseia no conceito do omotenashi e isso fez e faz a diferença para o Hospital Santa Cruz”, comentou Ishikawa, acrescentando que este “simbolismo” a que se referiu “ainda é uma forma simples de retribuir tudo o que a comunidade fez por nós, pois como todos sabem, o Hospital Japonês Santa Cruz foi fundado graças ao empenho e dedicação dos imigrantes japoneses”.;
“Também não podemos nos esquecer de agradecer o governo japonês, que tanto tem nos ajudado, inclusive, com uma contribuição significativa da família imperial para a sua construção e agora, mais recentemente, através de subsídios da Jica”, disse Renato Ishikawa, afirmando ter ficado feliz por passar o bastão ao atual presidente, Mário Sato, “que tem feito um trabalho fantástico”.
Masayuki Eguchi parabenizou o HJSC pelo gesto que beneficiará os associados da Kenren e destacou que, “em relação à pandemia do coronavirus, a Jica está cooperando com o HJSC de várias maneiras”. Uma delas refere-se à concessão de subsídios na modalidade custeio e para a construção de um centro oncológico, além de apoio a diversas atividades.

Assinatura do acordo reuniu autoridades, convidados e a Diretoria do Hospital Japonês Santa Cruz (Aldo Shiguti)

Ideário – Para o vereador Aurélio Nomura, o acordo é celebrado em um momento importante “e muito difícil para todos nós”. “Em um momento de preocupação, com o surgimento de uma nova cepa, vemos o HJSC retomando a sua origem, aqueles princípios e ideários que tinha quando de sua fundação, que era o de atendimento àquelas pessoas que mais necessitavam, aquelas pessoas que tinham dificuldade com a língua”.
Segundo ele, o hospital expandiu e suas preocupações com a saúde pública também cresceram na mesma proporção. “Mas ao mesmo que a gente constata uma preocupação em como atender todas as pessoas que ficaram sem atendimento médico durante a pandemia, a gente vê essa manifestação através deste acordo e que certamente beneficiará aquelas pessoas mais idosas – ou seja, as que mais necessitam de apoio neste momento. A gente vê essas pessoas sendo abraçadas por aquele ideário que não foi colocado de lado, pelo contrario, esta chama está cada vez mais viva sob a tutela da Diretoria do HJSC”, destacou o parlamentar.
Por fim, o vice-presidente do Conselho Deliberativo do HJSC, Masato Ninomiya, lembrou a trajetória dos imigrantes e da saga que era conseguir atendimento médico naquela época. Explicou o quanto eram caros os remédios e as consultas e das dificuldades dos imigrantes em expressarem o que sentiam no idioma português.
“E assim foi surgindo, aos poucos, aquele anseio de ter médicos que falassem japonês e também da necessidade de um hospital onde pudessem falar em japonês e comer comida japonesa. Este sonho então começou a se concretizar com o Dojinkai, em 1926, e com a vinda de médicos itinerantes”, contou Ninomiya, que citou o caso do médico Shizuo Hosoe,, formado pela Universidade de Keio e posteriormente pela Faculdade de Medicina da USP. Enviado pelo governo japonês, ele se sensibilizou com a situação dos imigrantes e decidiu ficar no país, mas enfrentou sérias dificuldades para exercer sua profissão até ser contatado pelo Dojinkai como secretário de medicina e saúde.

Contribuição – “Este convênio que o hospital Santa Cruz celebra no dia de hoje representa uma volta às origens que que teve início na gestão do doutor Retanto Ishikawa e está tendo continuidade agora com o doutor Mário Sato. Na verdade, para a comunidade isso aqui sempre foi o Nihon Biyoin e com essa volta às origens vamos passar a cuidar, juntamente com a Kenren, dos nossos idosos. Já temos outros acordos com o Ikoi-No-Sono e Kodomo-No-Sono, ou seja, de certa forma já estamos contribuindo com a comunidade. Mas agora fica algo mais oficializado através deste acordo com a Kenren, que representa as 47 províncias japonesas. É mais uma pequena contribuição que o HJSC presta a comunidade”, concluiu Ninomiya.

Comentários
Loading...