HAICAI (俳句): Poemas de reflexão em que poucas palavras expressam momentos e sentimentos

Aos indivíduos que não gostam de leitura e muito menos poemas e poesias, o haicai é uma boa opção, composta por apenas três versos e repleta de sutilezas relacionadas à natureza e à sensibilidade oriental, expressas de maneira objetiva, com poucas palavras e ausência de títulos.
A partir de então, essa nova forma de literatura tem conquistado o Brasil e o mundo, apresentando novos autores e adaptações, associando os temas ao cotidiano e elaborando uma nova estrutura que pode depender ou não de frases rimadas.
Assim o haicai é um poema simples e gostoso de ser lido, além de ser fácil de praticar, pois não possui muitas regras e muito menos palavras a serem escritas, de modo a não depender de frases desconexas e cheias de interpretação, já que simboliza sem rodeios o que há nos únicos três versos de sua obra.

Origem do Haicai
No século XII, o conhecimento e apreciação da literatura poética oriental era quase que obrigatória em círculos mais nobres do Japão, de forma que era comum a prática do renga (連歌, poesia colaborativa), obra dividida em duas partes: primeira estrofe (hokku) e segunda estrofe (wakiku), criadas pela junção de ideias de duas pessoas ou mais.
Durante essa época, a elite se divertia com esse tipo de entretenimento em diversos salões, elaborando versos que podiam ser compostos por dezenas a centenas de pessoas. Apesar disso, ainda era um estilo literário moldado de acordo com a rigidez do modo de vida da população. Algo que foi se alterando com o passar do tempo e por influência da religião zen budista que defendia a simplicidade e o ser breve.
Foi nesse momento que houve o surgimento da escola Danrin, responsável pela padronização e ensino do haikai, palavra que tem seu significado baseado na união de suas sílabas: hai = brincadeira, gracejo e kai = harmonia, realização; e pode ser chamado também por haiku. Mas foi com a escola de Matsuo Basho (1644 — 1694) que o hokko, primeira estrofe do renku, passou a ser visto como parte principal de uma poesia e não apenas uma peça de um texto, o transformando em algo além de um jogo de salão: uma obra literária.
As características básicas desse modelo de escrita estão voltadas ao: número de sílabas por versos (5-7-5), sobriedade, delicadeza, kigo (palavra que simboliza a estação do ano), kireji (palavra que corta e separa uma ideia da outra, localizada no final de um dos três versos), natureza, solidão, objetividade e ausência de rimas. Dentre esses fatores, há a mudança na citação de elementos naturais e o uso de rimas que buscam proporcionar mais leveza e beleza na leitura.

Haicai no mundo
Tradução: Eu sou como um peixe / apaixonado por um pássaro / desejando poder voar.
Entre os ocidentais, o primeiro haijin (俳人, escritor do estilo haikai) ocidental foi Hendrik Doeff (1777 — 1835), comissário holandês do posto de Nejima, em Nagasaki, responsável pela manutenção do monopólio comercial holandês no Japão, apresentando como uma de suas obras mais conhecidas o poema escrito em japonês:

“empresta-me seus braços,
rápido como trovões,
para um descanso na minha próxima jornada”

Fora do arquipélago japonês ainda houve outras tentativas desconsideras devido à falta de conhecimento da estrutura, suas regras e conceitos. De maneira que, em 1904, Yone Nogushi (1875 — 1947), primeiro escritor japonês a publicar romances e poesias em inglês, incentivou diversos americanos a tentar escrever o haiku, oferecendo ensinamentos e bases que explicassem a ideia do texto e suas normas. Apesar disso, até então, essa forma de escrita era pouco conhecida e de difícil entendimento, ocasionando alguns erros e mudanças.
Na mesma época, surgiram publicações das poesias de Sadakichi Hartmann (1867 — 1944), poeta nascido de mãe japonesa e pai alemão, disponibilizadas em japonês, inglês e francês, atraindo diversos estrangeiros que passaram a estudar os poemas e disseminar essa nova arte escrita.
Assim, há quem diga que o haikai é uma das formas poéticas mais conhecidas e admiradas nos Estados Unidos, sendo praticado, ao menos uma vez na vida, por crianças e adolescentes do país inteiro.

Haicai no Brasil
No Brasil, o haicai teve seu início com Júlio Afrânio Peixoto (1875 — 1947) que, em 1919, publicou uma descrição sobre os poemas japoneses em seu livro “Trovas Populares Brasileiras”.
“Os japoneses possuem uma forma elementar de arte, mais simples ainda que a nossa trova popular”
Contudo a popularização desse tipo de poema se deu apenas com o aparecimento e conhecimento de suas duas vertentes brasileiras: a tradicional, escrita por imigrantes e descendentes de japoneses, conhecida pela estrutura 5-7-5, composta por 17 sílabas poéticas no total, presença dos temas da estação e ausência de título e rimas; e a almeidiana, elaborada por Guilherme de Almeida (1890 — 1969), apresentando rimas, títulos e assuntos variados.
Dessa maneira, houve uma desestruturação de modo a proporcionar mais liberdade na escrita, apesar de que ainda há quem opte pelo haikai japonês, como Afrânio Peixoto e Helena Kolody (1912 — 2004), já que traz consigo um sentimentalismo e sutileza únicos da cultura oriental, proporcionados por suas duas características mais importantes, segundo Basho: a expressão da estação e a percepção do momento, passando ao leitor um vislumbre do que foi vivido por um curto período, porém o suficiente para uma dispersão e encantamento.

Exemplos de pequenos poemas
Tradução: Um milhão de notas de amor / Ainda a serem escritos a você / Salvos em meu coração.
Os poemas haikai mais famosos ainda estão relacionados à metodologia tradicional, porém coma certa adaptação, de maneira que há nos dias atuais os chamados “haicais sociais”, relacionados aos problemas da sociedade e do mundo.
A seguir, confira alguns exemplos de hokko para reflexão e contemplação.

“Armadilha de polvos –
Sonhos fugazes,
Lua de verão”
— BASHO, Matsuo

“Você pode crer
O pior cego
É o que quer ver”
— FERNANDES, Millôr

“O ipê florido,
Perdendo todas as folhas,
Fez-se uma flor só”
— PEIXOTO, Afrânio

“Um gosto de amora
Comida com sol. A vida
Chamava-se: ‘Agora’”
— ALMEIDA, Guilherme de

“lua a vista
brilhavas assim
sobre Auschwitz?”
— LEMINSKI, Paulo

Se há muitos pensamentos em mente, se solte nos pequenos poemas haikais que oferecem um cantinho de paz, reflexão e delicadeza em poucas palavras que expressam grandes momentos, tire esse tempo para si e, por alguns minutos, disperse sua mente de todo caos que assola o mundo.
(Mariana Kisaki)

Comentários
Loading...