ERIKA TAMURA: A economia do Japão atualmente

Sempre que posso abordo esse tema por aqui, acho que já escrevi vários artigos com esse mesmo título, mas a realidade faz com que eu fale mais frequentemente sobre o assunto.
Acompanhei uma declaração do primeiro ministro japonês, Yoshihide Suga, onde ele respondia perguntas dos repórteres referente ao corona vírus. Invariavelmente, as perguntas seguiam pela linha da saúde e as providências do governo diante à pandemia, porém uma declaração de Suga me chamou a atenção, onde ele declara que a economia do Japão merece atenção e muito cuidado, pois estamos vivendo uma realidade econômica com deflação. O Japão é um dos poucos países em que existe deflação, e os maiores especialistas no assunto, declararam o quão difícil é lidar com uma economia deflacionária.
O governo japonês, na época em que o primeiro ministro era ainda Shinzo Abe, deu à todos os residentes no Japão uma ajuda financeira de ¥100 mil, algo em torno de mil dólares para cada pessoa. O intuito dessa ajuda foi o de movimentar a economia, e fazer com que houvesse uma circulação monetária contundente, apesar da pandemia. Não foi o que aconteceu.
Suga, em sua declaração reconheceu que a maioria dos japoneses guardaram o dinheiro, e devido a pandemia, o futuro é tão incerto e inseguro, que a população japonesa vive um momento de resguardo econômico. O que para a economia do país não é bom.
Mas sempre que falo sobre isso, aparecem uns brasileiros que vivem no Japão e me falam: “ E daí? O que eu tenho a ver com isso, sou brasileiro, os japoneses que se virem”. E eu pergunto: “É mesmo? Jura que toda essa oscilação econômica não afetará a comunidade estrangeira no Japão?”.
Em momentos de crises, a corda sempre arrebenta para o lado mais fraco, que nesse caso, somos nós, estrangeiros morando no Japão.
Para ser mais exata, o ministério do trabalho do Japão, divulgou um relatório do período entre outubro de 2019 à outubro de 2020, referente aos trabalhadores estrangeiros registrados pelas empresas no Japão. E, apesar do crescimento no número de trabalhadores estrangeiros, os brasileiros caíram de 135.455 para 131.112. O que antes era de 8,2% caiu para 7,6%.
Parece pouco, a diferença parece irrisória, porém na prática essa realidade toma proporções gigantescas. E eu trabalho com essa realidade, no extremo dos números estatísticos.
Esses dados, falam por si só. Não preciso traduzir, nem tampouco escrever a minha opinião. Pois essa bola, eu já tinha cantado essa bola, um tempo atrás, quando o governo japonês liberou o visto para trabalhadores estrangeiros. O que eu não previa era a pandemia, que no caso, serviu como um acelerador ladeira abaixo nas estatísticas. E olha que, esses dados não se refere ao ano de 2020 na sua totalidade, pois foi até outubro. Pelo que vejo, o mês de dezembro não foi fácil para os trabalhadores das fábricas no Japão.
Acabo de receber a notícia de que o estado de emergência no Japão se manterá por mais um mês.
E assim a insegurança e a incerteza do futuro, permanecerá por um tempo ainda. Nem sinal da vacina por aqui…

Comentários
Loading...