ENFRENTAMENTO À COVID-19: Medidas preventivas contra o novo coronavírus adotadas pelas empresas nipo-brasileiras

Cia Iguaçu, localizada na cidade de Cornélio Procópio, no Paraná (divulgação)

Sob a situação de pandemia, “como reduzir o risco de infecção com o novo coronavírus e continuar a desenvolver negócios em um ambiente seguro e protegido” tornou-se uma questão urgente para empresas em todo o mundo. Enquanto a situação é prevista para continuar durante mais algum tempo, com a cooperação da Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil (presidente Toshifumi Murata), o Nikkey Shimbun resolve apresentar a situação e as medidas preventivas contra a infecção adotadas por 5 empresas nipo-brasileiras. Nesta primeira edição, o entrevistado foi Toshiki Matsui, vice-presidente da Cia. Iguaçu de Café Solúvel.

O negócio mantém força devido ao consumo doméstico (“sugomori shouhi”)
A Cia. Iguaçu é uma empresa que fabrica café instantâneo para o mercado interno e, preponderantemente para o mercado externo. O produto fabricado pela Cia. Iguaçu, muito conhecido nas áreas de venda de café nos supermercados brasileiros, têm continuado seus negócios com força, sustentado pelos consumos domésticos (“sugomori shouhi”) e a continuidade da demanda no mercado brasileiro, que não diminuiu em relação aos períodos anteriores à pandemia. As exportações para o exterior também não são muito diferentes de antes, além disso, surgiram alguns clientes que optaram por estocar os produtos, prevendo a demanda do consumo doméstico e foi um ano de consultas ativas.
O Sr. Matsui olha para o passado: “Foi necessário pensar intensivamente sobre como operar a linha de produção da fábrica de maneira estável e fazer com que os funcionários trabalhassem com segurança.” Para produzir a quantidade de produtos que atenda a demanda crescente, proteger a segurança dos funcionários e manter o local de fabricação em funcionamento era uma tarefa absolutamente necessária.

Segurança e proteção para cerca de 800 funcionários
A sede e a fábrica do Cia. Iguaçu estão localizadas em Cornélio Procópio, no Paraná, com escritórios em São Paulo e Santos. Tem cerca de 800 funcionários: cerca de 500 na fábrica, cerca de 70 no armazém e os outros desenvolvem trabalho de escritório e venda.
Exceto para trabalhos desenvolvidos nos locais de produção, o teletrabalho foi introduzido para os funcionários de escritório quando a pandemia começou. No entanto, a garantia de segurança das pessoas que trabalham nas áreas de fábricas e armazéns foi a que recebeu maior atenção.
Mesmo no período de pandemia causado pelo coronavírus, não é possível reduzir os funcionários das linhas de produção. Além disso, tem casos, como o desenvolvimento de produtos, em que é indispensável ir à empresa, então foram tomadas medidas como reduzir o número de pessoas que se deslocam ao trabalho em cada departamento para 30% a 50% dependendo da situação. Nem é preciso dizer que foi orientada a intensificação da higienização das mãos, o distanciamento social, o uso de máscara e a adoção de um ambiente que não esteja fechado, aglomerado e/ou com pessoas próximas de outras.
Certa vez, os funcionários do Japão previstos para virem à Cia. Iguaçu não puderam trocar de mandato no Brasil no período ideal devido à influência do novo coronavírus, mas depois de chegarem para o Brasil, trabalharam no país e também não ocorreu de alguém voltar ao Japão com urgência.

Distribuição de manual da própria empresa informando sobre medidas preventivas contra infecção por coronavírus
A cidade de Cornélio Procópio tem uma população de cerca de 48 mil habitantes. A sociedade é formada por uma comunidade relativamente pequena, e a Cia. Iguaçu se tornou uma empresa representativa da cidade.
“Se a cidade não resistir ao novo coronavírus, as fábricas também entrarão em colapso. Decidimos ajudar as famílias dos funcionários a prevenir da infecção pelo novo coronavírus também, pois isso protegeria tanto a cidade quanto a empresa.”
Considerando como maior prioridade a garantia da segurança não apenas dos funcionários, mas também de suas famílias, nos primeiros dias da pandemia distribuíram máscaras aos funcionários e suas famílias. Em julho do ano passado, foi produzido um livreto pela própria Cia. Iguaçu para informar seus funcionários sobre a prevenção contra a infecção pelo coronavírus na fábrica e no escritório, e foi distribuído a todos os funcionários. Como uma extensão disso, de fevereiro a março deste ano, um manual para prevenir a infecção pelo novo coronavírus foi produzido e distribuído para a família de cada funcionário, solicitando uma consideração mais aprofundada nas medidas contra o vírus no ambiente doméstico.

Importância da comunicação frequente com o os Órgãos de Saúde e Vigilância Sanitária
Mesmo a empresa fazendo o máximo possível para prevenir a infecção, foi inevitável que alguns funcionários ficassem infectados. No entanto, antes mesmo de entrar na pandemia, a empresa estabelecia contato com o serviço de saneamento da cidade e trabalhou em conjunto para formular as regras da empresa caso uma pessoa fosse infectada, então conseguiu enfrentar a situação com calma.
“Devido à frequente comunicação que fazia com as agências governamentais, não foi necessário interromper ou reduzir a operação da linha de produção, mesmo com o aparecimento de uma pessoa infectada.”
Também é feito um esforço para relatar a situação da infecção dentro da empresa, para que os funcionários não fiquem preocupados devido a falta de informação. Cerca de 60 pessoas, composta por chefes de seção e pessoas de hierarquia superior, participam de reuniões online uma ou duas vezes por mês para relatar a situação mais atual da empresa para que as informações internas da empresa sejam compartilhadas com todos os funcionários.
A vacinação é o ponto chave a partir de agora
A Cia. Iguaçu não se está pensando em impor a vacinação, mas sim contribuir na conscientização quanto à importância do gesto vacinal. No entanto, vai decidir as mudanças no ambiente de trabalho, que foi alterado pela influência do novo coronavírus, principalmente no que diz respeito ao cancelamento do teletrabalho, com base nas respostas recolhidas dos questionários e o estado de vacinação dos funcionários. Está decidido que o marco para um retorno presencial seguro acontecerá no momento em que a vacinação estiver concluída para os adultos acima de 18 anos .

Atenção detalhada na construção da nova fábrica
Um dos planos pré-pandêmicos da Cia. Iguaçu era estabelecer uma nova linha para produzir café instantâneo premium liofilizado, além do tradicional café desidratado por spray drying. As obras de construção da nova fábrica pararam em março do ano passado, mas foi retomada a construção em setembro: “Não podemos parar desse jeito”.
Quando a construção recomeçou, cerca de 100 operários de construção civil viriam para o local, ficando lado a lado aos funcionários todos os dias. Naquela época, o povo estava nervoso com o futuro incerto, e nem os paulistas podiam entrar na cidade. Então, surgiu a opinião de que jamais deveria reunir no mesmo local um grande número de operários da construção civil, que vinham de diversos lugares, junto aos funcionários.
Depois de muita discussão, com a finalidade de garantir a segurança, foram organizados locais separados aos operários da construção para que trocassem de roupa e se alimentassem separadamente dos funcionários, com todas as medidas preventivas e finalmente, em março deste ano, a nova linha foi concluída.

Encantando clientes, mesmo em situações difíceis

Toshiki Matsui, vice-presidente da Cia Iguaçu de Café Solúvel (divulgação)

Neste ano, o mercado de café disparou entre julho e agosto devido à previsão de que o número de grãos de café diminuiria por causa das geadas nas regiões brasileiras produtoras de café. O Brasil é o maior produtor mundial de grãos de café, e o consumo interno de café é grande, mas nos acordos de exportação, que é o principal foco da Cia. Iguaçu, está sujeita à competição internacional de preços.
“Além do café, que é o ingrediente principal, o Brasil tem muitos produtos em alta e as indústrias também passam por dificuldades. Mesmo assim, faremos um delicioso café para agradar a todos”.
Assim, Sr. Matsui expressou a motivação do Cia. Iguaçu, que valoriza as conquistas sólidas que possui.

Cia. Iguaçu
Fundada em 1967 na cidade de Cornélio Procópio, no norte paranaense. Torna-se membro do grupo do Marubeni em 1972. Fabrica 22 mil toneladas de café instantâneo anualmente e exporta para mais de 50 países do mundo.

Site oficial:
https://www.iguacu.com.br/
(Traduzido do Nikkey Shimbun)

Comentários
Loading...