Corona Vírus, contenções mais severas!

Decreto Estadual promove restrições a vigorar até o fim de março.

Por: Mauro Yoshiaki Novalo

Depois das festas de final de ano, dos hospitais desmontados (devido ao pouco uso), a região metropolitana de São Paulo volta para estaca zero e com perspectivas sombrias de novamente estar com ruas quase desertas, lojas fechadas e com o mínimo necessário funcionando. Mais uma vez o cenário de filme de ficção!!!
Depois de longa convivência com o Covid 19, o mundo ainda está tentando entender como lutar contra o vírus. Alguns estão no início da sua campanha de vacinação (caso do Brasil), outros um pouco mais adiantados, mas esta operação é lenta pela falta do principal, a vacina. A grande demanda mundial, deixa mais difícil estimar quando a maioria da população vai estar vacinada. E mesmo assim, incertezas pairam no ar, pois ninguém pode afirmar categoricamente que isto realmente controlará o vírus. Alguns países partem para o lockdown, outros preferem testar e testar para junto com a vacinação, continuar funcionando.
Estranho é ver que agora que os hospitais de campanha são realmente necessários, não se tem nada de ações nesta direção. Mesmo antes da pandemia, saúde sempre foi um problema sério nas grandes cidades do país, a população já sofria com a falta de vagas para atendimento, e esta crise só piorou o problema, o que vemos são bravatas de tudo quanto é lado, lamentavelmente nada de efetivo para atenuar o sofrimento da população. A palavra é lockdown mas esquecem que o povão precisa sair as ruas para ter o seu ganha pão. O que vemos de fato, são muitas empresas que não aguentaram o baque e fecharam, dependendo do que for implementado, outras mais certamente terão o mesmo destino..

Mudança de estação
Enquanto isso o clima vai mudando e logo logo, mais precisamente no dia 20 de março o Outono inicia sua temporada oficialmente.
Este período gera mais preocupação, por ser a estação onde normalmente já ocorrem surtos de gripe e pelo clima mais frio, a particularidade de espalhar mais qualquer tipo de vírus. Portanto a preocupação também para a vacinação antigripal é mais uma variável a ser ajustada e considerada nesta situação de crise.

Pesca
A temporada ainda é boa para pescarias, dias ensolarados e até mais quentes que o normal, e pouco a pouco com noites mais amenas. Em Sampa, é a conhecida época de transição antes do inverno, mas com bastante ações de peixes. Como só é recomendado sair para locais onde possamos cumprir as regras locais de convivência sem ficar exposto, resta a você, principalmente se pertencer ao grupo de risco, considerar este um bom momento para verificar sua tralha de pesca. ”Bora” ver o que tem na sua caixa de pesca e deixar tudo em ordem para sua próxima pescaria.
O ideal é retirar tudo, desde o pequeno anzol perdido num cantinho, até as grandes chumbadas no fundo, um a um proceder a verificação e se for o caso, limpeza e manutenção. Ver os acessórios que podem ser recuperados ou que necessitam ser trocados, para deixar tudo perfeitamente ajeitado para quando precisar.

Uma conferência também no seu estoque – difícil o pescador não ter um pouco de colecionador – para ver o que usa de fato, e o dispensável. Isto se faz necessário pelo praticante que tem o costume de guardar um artigo pensando no uso futuro. Óbvio que nem todos são assim, mas podemos garantir que isto ainda é muito observado neste mundo particular da haliêutica, principalmente por aquele mais fanático ou “estudioso”, que prefere e gosta de confeccionar o seu material e suas próprias iscas.
Para quem tem mais de uma modalidade como hobby, a sugestão é separar conforme o local de destino e uso, uma caixa ou bolsa com itens específicos para atender pescarias embarcadas ou não, sejam em águas salgadas (praias, costões, mangues e rios litorâneos), água doce (rios, lagos e pesque-pagues). Se for possível, reservar uma caixa ou bolsa com o básico que atenda todas modalidades, e depois quando confirmado a pescaria, adicionar os itens complementares.
Aliás – esta é a fase mais interessante e legal de uma pescaria – a organização da tralha a ser utilizada, que é uma imersão no processo, onde literalmente o indivíduo se deixa levar pela imaginação. A parte zen, onde se considera o porquê de se levar isto ou aquilo. É a etapa quando a experiência vai contar muito para indicar os produtos essenciais, para chegar aos resultados pretendidos.

Quantidade de itens
Partindo do básico, quem utiliza por exemplo iscas artificiais, onde é normal ir com várias caixas carregadas, no local da pescaria, terá 2 escolhas:
1 – testar novas iscas e caso o resultado não apareça de imediato, usar as que considera “pegadeiras”, para só depois retornar para novas avaliações.
2 – iniciar com as “pegadeiras” para se ter a confiança necessária, e depois experimentar iscas novas.
Assim, uma caixa com 10 a 15 iscas já seria suficiente para atender a demanda, mas o que se observa normalmente num barco, são no mínimo 2 caixas (lotadas) para cada pescador, amparados pelo jargão: melhor sobrar do que faltar! Mesmo assim é possível que na mente passe a seguinte mensagem: “bem que eu poderia ter trazido aquela outra isca!”
Outros itens a considerar são varas, acessórios, carretilhas e molinetes, que iremos tratar em outras edições.
Encarar desta maneira o desafio destes novos dias de luta contra o vírus, pode ser uma boa opção para pescar de forma lúdica. E de quebra você estará com o material em ordem e pronto para novas empreitadas pescativas!
Quando possível, ótimas pescarias!


Apoio

Deconto Iscas Artificiais www.morodeconto.com.br
Maré Iscas www.mareiscas.com.br
Moro Fishing www.morofishing.com.br
Piscicultura Chang www.pisciculturachang.com.br
Uhobby www.uhobby.com.br

Comentários
Loading...