Comunidade nikkei lamenta falecimento de Hatiro Shimomoto, ‘nosso sempre deputado’

A família reunida para a foto do cartão de Natal de 2019 e com os nomes, como Hatiro Shimomoto gostava: comunidade perde uma de suas grandes referências (arquivo pessoal)

Nesta semana, a comunidade nipo-brasileira perdeu uma de suas grandes referências. E um sonhador. Exemplo de político, pai, avô, profissional e cidadão, Hatiro Shimomoto faleceu na noite desta segunda-feira, 21, aos 86 anos de idade, em São Paulo. Ele estava internado desde 17 de maio último para tratamento dos sintomas do Covid-19 e complicações do diabetes.
O velório foi realizado nesta terça, 22, na OSSEL, em São Caetano do Sul, onde também foi realizada a cerimônia de cremação.
Dr. Hatiro Shimomoto era conhecido e reconhecido na comunidade nipo-brasileira como “sempre deputado”, devido aos seis mandatos como deputado estadual (de 1971 a 1999, incluindo a gestão como Deputado Constituinte Estadual em 1989) e exemplar dedicação ao ofício (realizou mais de 1.060 pronunciamentos no plenário).
Era o oitavo filho de Yasuishi e Tomie Shimomoto, naturais da província japonesa de Wakayama, família que emigrou ao Brasil em março de 1931.
Nasceu em Guararapes, interior de São Paulo em 1935, e chegou à capital em 1955, para aqui conquistar uma carreira profissional coroada de sucesso. Seu nome Hatiro, foi inspirado no Almirante Togo Heihachiro, que comandou e venceu a Guerra Russo-Japonesa, considerada a “primeira maior guerra do século XX”.
Além de empresário contábil, Hatiro Shimomoto era advogado pós-graduado em Direito Tributário e em Direito Comparado na Universidade de Sorbonne, de Paris. Montou o Grupo King (King Contabilidade, King Imóveis e Hatiro Shimomoto Advocacia) e foi o primeiro advogado nikkei em todo o território nacional a fundar um Tribunal de Justiça Arbitral.

Prêmio Jabuti – Também presidiu o Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo- Sescon – SP, na gestão 1975/78. Membro da Academia Paulista de Contabilidade – APC (ocupava a Cadeira de número 48 que tem como Patrono José Geraldo de Lima) e concorreu à 62ª edição do Prêmio Jabuti de 2020 – uma das premiações literárias mais importantes do País – com o livro “Pílulas do Sucesso”.
Participou ativamente de órgãos de classe e entidades da comunidade nipo-brasileira. Além de presidir a Abrade – Associação de Defesa das Empresas, foi preletor da Seicho-no-Ie, além de diretor e/ou conselheiro de todas as entidades de classe contábil, OAB/SP, Associação Comercial de São Paulo, entre outras.
Tieko e Hatiro Shimomoto durante comemoração à entronização do Imperador Naruhito, em 22 de outubro de 2019
Durante seu mandato como deputado estadual (1971 a 1999), fez parte de missões oficiais e culturais ao exterior, sobretudo ao Japão, contribuindo para o estreitamento das relações com esse país.
Foi colaborador ativo junto às várias entidades nipo-brasileiras, entre elas, o Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social como membro do Conselho Superior de Apoio e Orientação e do Conselho Deliberativo do Bunkyo. Foi um dos grandes incentivadores do Coral Feminino Bunkyo.

Tieko e Hatiro Shimomoto durante celebração à entronização do imperador Naruhito (Site Bunkyo)

Reconhecimento – Sua dedicação foi amplamente reconhecida considerando as numerosas homenagens recebidas ao longo dos anos. Entre elas foi agraciado com as medalhas “Presidente Anníbal de Freitas”, outorgada pelo Sescon-SP; “Joaquim Monteiro de Carvalho”, da Ordem do Mérito Contábil, pelo Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo – CRCSP.
Em 2014, foi condecorado com a “Ordem do Sol Nascente, Raios de Ouro com Laço”, outorgada pelo imperador do Japão pela promoção do intercâmbio dos laços de amizade Brasil-Japão e difusão da língua japonesa. Em 2015, recebeu o título de Cidadão Paulistano concedido pela Câmara Municipal de São Paulo.

Movimento Político – Atualmente, dedicava-se ao Projeto Parque das Nações, como maior centro poliesportivo cultural junto ao Parque Ecológico do Tietê (zona leste de São Paulo), próximo ao Aeroporto Internacional de Cumbica, contemplando algumas das principais entidades nipo-brasileiras.
Além deste projeto, nos últimos anos passou a se dedicar também em levar adiante o Movimento Político Nikkei (MPN). Idealizado em 2018 pelo próprio Hatiro Shimomoto – preocupado com o desempenhos dos políticos nikkeis nas últimas eleições – o MPN tinha como objetivo valorizar as entidades e os políticos nikkeis. Sua preocupação era sempre a de “melhorar o país através dos usos e bons costumes”.
O 10º Simpósio, marcado inicialmente para o dia 25 de junho, havia sido adiado justamente por ele ter sido acometido pela Covid. O encontro, virtual, teria como convidados o embaixador do Japão, Akira Yamada, o presidente do Grupo Parlamentar Brasil-Japão, deputado Luiz Nishimori e o presidente do Akita Kenjin do Brasil, Alfredo Ohmachi.

Repercussão – A comunidade nikkei lamentou o falecimento de uma de suas principais lideranças. Autor da homenagem que em 2015 concedeu o título de Cidadão Paulistano a Hatiro Shimomoto, o vereador Aurélio Nomura lembrou que o “deputado Hatiro Shimomoto foi um dos pioneiros deputados nikkeis”. “Sua ação política voltada à saude, educação e agricultura foi brilhante, com muitas conquistas para os setores e para alavancar a economia do nosso estado e pais”, disse Nomura, acrescentando que Shimomoto também teve papel relevante nas relações entre o Brasil e Japao, “sendo, inclusive, condecorado pelo imperador pelos serviços prestados”.
“Além disso, ele foi um grande divulgador da doutrina da Seicho No Ie , como professor e preletor . Sem dúvida nenhuma fará muita falta entre nós pelo seu espírito público e seu caráter. Só nos resta agradecer ao deputado Hatiro Shimomoto: ‘Muito obrigado, muito obrigado, que Deus o abençoe”, concluiu Aurélio Nomura.
O também vereador George Hato conta que que “o nosso sempre deputado Hatiro Shimomoto tinha o dom da palavra e encantava a todos com seus discursos positivos e sua forma de divulgar os costumes e tradições japonesas”. “Foi, sem dúvida, um grande representante da comunidade e um exemplo para todos. Meu pai, deputado Jooji Hato, cumpriu mandato na Assembleia Legislativa após o seu período como parlamentar e via nele, além de um grande amigo, uma fonte de inspiração. Foi uma honra tê-lo como amigo”, disse George Hato.
O presidente da Confederação Brasileira de Sumô (CBS), Oscar Morio Tsuchiya, também lamentrou a perda. “Nesse momento de grande tristeza, gostaria de externar o quanto o Dr. Hatiro foi importante na comunidade do sumô no Brasil. Além de ser um grande colaborador e incentivador do nosso esporte, foi o principal responsável pela fundação do sumô feminino no Brasil. Fato esse que alavancou a Federação Internacional criar o Mundial Feminino.
Tudo isso ele realizou pelo simples fato de uma enorme simpatia e amor ao sumô, que ele tinha…
Obrigado, dr. Hatiro, que esteja em paz..”, observou Tsuchiya, lembrando que Hatiro Shimomoto era presidente de honra da CBS.
Renato Ishikawa, presidente do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), destacou que “a comunidade nipo-brasileira perde um grande líder e uma referência”. E nós perdemos um grande amigo. O Dr. Hatiro Shimomoto era muito batlhador. Apesar da idade, continuava trabalhando em prol da comunidade. Lamento que ele não tenha concluído o projeto com que tanto sonhava, o Parque das Nações. Aliás, a última reunião que tive com ele, da qual participaram também outras entidades, como a Kenren (Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil), foi justamente para tratar sobre a viabilidade deste projeto. Era um grande admirador do casal. Torço pela breve recuperação da Dona Tieko”, disse Renato Ishikawa.

Gratidão – Presidente da Sociedade Beneficente Casa da Esperança Kibô-No-Iê, a nora Dirce Akemi Shimomoto explica que o sentimento que fica é de “muita admiração, gratidão e saudades”. “Meu sogro foi um exemplo de determinação, perseverança, resiliência e amor à Pátria e à família. Foi mais do que sogro para mim, foi meu segundo pai”, conta Dirce, acrescentando que “nestes mais de 30 anos de convivência aprendi muito com ele”.
Para ela, um dos ensinamentos foi o de “sonhar grande”. “Ele me dizia que sempre que pensava num projeto, pensava em algo grandioso porque só assim podemos crescer. Dizia que o dinheiro vem de acordo com a necessidade e deu um exemplo: ‘se você tem somente um filho, vai trabalhar para prover uma familia de três pessoas, mas, se tiver cinco filhos (como ele teve), vai trabalhar mais para prover uma familia maior’. E assim acontece com os projetos”, lembra Dirce, explicando que, no seu trabalho como voluntária na Kibô-no-Iê, no Hospital Santa Cruz e Akita Kenjinkai, entre outras instituições, “sempre tive seu apoio e certamente sentirei muita falta das suas orientações”.
“Na vida em familia, ele era austero, mas, por outro lado, promovia encontros, viagens, passeios e fazia questão de manter todos unidos”, observa Dirce.
Hatiro Shimomoto deixa a esposa, Tieko, os filhos, Marcio Massao Shimomoto, Meire Emi Tomo, Lilia Tomie Higa, Nanci Inokida, Marli Kimie Shimomoto Hangui, nora, genros e 10 netos.
(Com informações do site do Bunkyo)

Comentários
Loading...