Wagashi: A arte tradicional japonesa de confeitar

Wagashi e os cinco sentidos (divulgação)

Quando o assunto é doce, para você o mais importante é a aparência ou o sabor? De acordo com os famosos doces japoneses, chamados de wagashi, essas guloseimas devem apresentar uma mescla dos cinco sentidos humanos, proporcionando uma experiência única de degustação.
Ao se deparar com a gastronomia japonesa, difícil é ignorar suas sobremesas vistas em eventos e vitrines de padaria, já que costumam exibir delicadeza, sofisticação e suavidade, até mesmo no doce mais simples.
Pensando nisso, quase sempre bate aquela vontade de provar o que é diferente e aparenta ser apetitoso. Mas e se alguém te dissesse que você provavelmente já saboreou um wagashi, você acreditaria? Para provar que essa afirmação não é uma mentira, confira a seguir a história dos doces tradicionais japoneses e seus segredos.

Origem do wagashi tem base na culinária chinesa e portuguesa (divulgação)

Origem do wagashi
Embora o wagashi seja um doce tradicionalmente japonês que se tornou popular apenas na Era Meiji (1868 – 1912), suas origens começaram com base na culinária chinesa e portuguesa que adentraram o Japão, respectivamente, no século IX e XVI.
Antigamente, esses doces eram chamados de karagashi e oferecidos apenas à corte imperial e aos Deuses, sendo servidos, a princípio, fritos e com wasambonto — um dos açúcares mais antigos do Japão — até o século XVI.
Com a ida dos portugueses ao território japonês, a população passou a conhecer guloseimas diferentes, como os biscoitos e confeitos de Portugal, o que mostrou aos japoneses uma nova forma de confeitar, unindo a ideia dos karagashis aos doces ocidentais, os nomeando de wagashi.
Foi a partir da Era Muromachi (1336 – 1573) que esses confeitos se tornaram parte da cerimônia do chá. E apenas no século XVII, durante a Era Edo (1603 – 1868), os doces tradicionais japoneses deixaram de ser somente da corte e dos deuses, fazendo parte também da camada popular da sociedade.
A partir de então, o ato de consumir o wagashi deixou de ser específico para ocasiões especiais e se transformou em rotina, de modo que, ainda hoje, é apreciado durante os chás da tarde que acontecem entre as 14 e 15 horas.

Wagashi eram doces nobres (divulgação)

Tipos de doces tradicionais japoneses
A origem dos wagashis pode ser dita como uma grande influência externa. Logo a dúvida que fica é: como podem ser considerados doces tradicionais do Japão se sua base é exclusivamente chinesa e portuguesa?
Para o aprendizado desse novo confeito japonês, houve a execução de práticas culinárias da China e de Portugal, além do uso de novos ingredientes adquiridos desses países. Apesar disso, o Japão não deixou de ter sua marca nessas guloseimas, tendo como foco a delicadeza, suavidade, aparência e o uso de ingredientes naturais, como: mochi, frutas, amêndoas e azuki.
Assim, foi obtido um diferencial que fez com que os doces popularizassem em todo o mundo, ou seja, sua aparência que os torna uma obra de arte, sua leveza e complexidade. Elementos que tornam os wagashis únicos, não devendo ser confundidos com os yogashis que são doces japoneses inspirados na gastronomia ocidental, como o ichigo shortcake.

Os variados tipos de doces japoneses, de mochi a yokan (divulgação)

Dentre os wagashis, você pode encontrar:

    • Mochi: um bolinho de massa de arroz doce, capaz de apresentar diversas cores, formatos e sabores;
    • Daifuku: é como chamamos quando o mochi tem recheio doce, sendo em sua maioria o anko ou mesmo alguma fruta, como o morango;
    • Castella (kasutera): semelhante ao pão de ló, o castella tem uma textura mais macia e uma aparência mais leve;
    • Manju: doce com massa suave à base de farinha, açúcar, óleo, ovo e água, e recheio de azuki. Esse confeito é encontrado de duas formas: yaki manju (manju assado) e fukashi manju (manju cozido no vapor);
    • Yokan: gelatina feita de ágar e azuki.

Lendo sobre esses confeitos japoneses, você lembrou de algum que já tenha ouvido falar ou mesmo degustado? Difícil dizer não, certo? Até porque esses são alguns dos doces tradicionais japoneses mais populares em todo o mundo.
Além das guloseimas já citadas, algumas outras que fazem parte dos famosos wagashis são: zenzai, dango, taiyaki e okashi. Todos esses são comuns em festividades e eventos, alguns sendo consumidos até mesmo no chá da tarde. Então, se você for ao Japão, experimentar alguns desses doces deve ser quase como um rito de passagem. Assim como visitar pontos turísticos inesquecíveis.

Segredo gastronômico do wagashi
Doces saudáveis, com menos açúcar, leves, sofisticados e naturais, esses são os wasagashis. No entanto, o segredo gastronômico desses confeitos ainda não foi totalmente revelado, visto que o ponto principal é mexer com nossos cinco sentidos, ou seja: visão, olfato, tato, paladar e audição.
Sendo assim, esses confeitos devem ter:

  • Boa aparência;
  • Aroma sutil, porém perceptível e agradável;
  • Consistência macia e úmida, mas levemente firme, que mostre sua qualidade;
  • Um sabor distinto, sendo possível sentir todos os ingredientes do wagashi;
  • Um nome significativo, relacionado às estações ou poesias. A ligação do nome do doce com a estação está no simples fato de que alguns wagashis são feitos especificamente para períodos sazonais, de forma que é comum no verão doces mais refrescantes, como a raspadinha; no inverno, algo mais quente, como o zenzai; na primavera, confeitos coloridos, como dango e mochi; e no outono, guloseimas à base de frutas e nozes.

O Japão, então, deixa sua marca a partir da importância que dá a cada detalhe da sua gastronomia, apontando a importância de se comer com os olhos, degustar com o paladar, sentir o frescor com as mãos, se surpreender com o aroma e obter algo inesquecível aos ouvidos, oferecendo, então, uma experiência simples e única.
(Mariana Kisaki)

Comentários
Loading...