Japão promulga lei para tornar as vacinas do coronavírus livre para os residentes

02/12/2020 – 16:39:28 JST – TÓQUIO – O parlamento japonês promulgou uma lei na quarta-feira para cobrir os custos de vacinação dos residentes contra o novo coronavírus, pois as esperanças crescem com a chegada precoce das vacinas, após relatórios recentes de progresso em meio a um ressurgimento de infecções.

O ministro da saúde do Japão, Norihisa Tamura, se curva aos legisladores no parlamento de Tóquio em 2 de dezembro de 2020, depois que a Câmara dos Vereadores aprovou por unanimidade um projeto de lei para fornecer gratuitamente aos residentes do país vacinas contra o coronavírus coronavírus. (Kyodo)

A Câmara dos Conselheiros aprovou por unanimidade um projeto de lei para revisar a atual lei de vacinação depois que o Primeiro Ministro Yoshihide Suga se comprometeu a garantir as vacinas contra o coronavírus para todos os cerca de 126 milhões de residentes do país no primeiro semestre do próximo ano.

O Japão concordou com a gigante farmacêutica americana Pfizer Inc., a empresa americana Moderna Inc. e a britânica AstraZeneca Plc. em receber vacinas suficientes para 145 milhões de pessoas quando elas forem desenvolvidas com sucesso, reservando um orçamento de 671,4 bilhões de ienes (US$ 6,4 bilhões) para esse fim.

Na corrida global acelerada para desenvolver vacinas para enfrentar a pandemia, a Pfizer e seu parceiro alemão de desenvolvimento BioNTech SE solicitaram recentemente a aprovação na União Européia, depois de fazê-lo nos Estados Unidos e na Grã-Bretanha.

A lei revisada não esclarece se o esquema incluirá residentes estrangeiros do Japão, mas os funcionários do Ministério da Saúde disseram esperar que eles sejam cobertos com base em outras vacinas oferecidas gratuitamente.

O governo precisa coletar informações sobre a eficácia e segurança das vacinas em desenvolvimento, já que algumas delas empregam genes artificiais e outras tecnologias que ainda não foram utilizadas fora de um ambiente de laboratório.

A aprovação do projeto de lei pela Câmara dos Deputados vem como Tóquio e muitas outras partes do Japão estão vendo um pico de infecções, com a nação relatando um recorde de 41 mortes na terça-feira.

Tóquio na quarta-feira confirmou 500 novos casos de infecção, o número mais alto desde sábado, quando registrou 561.

Embora a lei revisada recomende fortemente que as pessoas sejam inoculadas, o governo permitirá que os indivíduos recusem se a eficácia e a segurança das vacinas não tiver sido provada o suficiente no momento da aprovação.

Caso a vacinação cause sérios efeitos colaterais, a lei revisada estabelece que o governo cobrirá despesas médicas e pensões por invalidez como parte das medidas de alívio e danos aos ombros em nome dos fornecedores de vacinas.

O Secretário Chefe de Gabinete Katsunobu Kato, o principal porta-voz do governo, disse numa conferência de imprensa: “Faremos esforços para estabelecer um sistema para administrar as vacinas sem problemas, colaborando estreitamente com os governos locais e os trabalhadores médicos”.

Os municípios estarão encarregados do trabalho administrativo relacionado às vacinas, que será financiado pelo Estado.

A Dieta também aprovou um projeto de lei separado que permite ao governo continuar além de fevereiro a quarentena das pessoas que testarem positivo para o novo coronavírus na chegada ao Japão, prorrogando a medida que deveria expirar após um ano.

Em fevereiro, o Japão decidiu hospitalizar pessoas que deram positivo no teste do vírus em aeroportos e portos, e exigir que aqueles suspeitos de infecção permaneçam em instalações designadas por um certo período.

Na quarta-feira, o governo também começou a reavaliar a operação de seu programa de subsídios “Vá Comer” para incentivar a saída de refeições e está considerando suspender a emissão de cupons sob a iniciativa.

Das 47 prefeituras do Japão, 10 incluindo Tóquio, Hokkaido e Osaka já pararam a emissão dos cupons, que são oferecidos com 25% de prêmios, devido a um aumento dos casos de coronavírus em suas regiões.

O Japão reforçará o apoio financeiro aos estabelecimentos de restauração afetados por uma queda na demanda devido à interrupção da emissão dos cupons. Os planos serão incluídos no terceiro orçamento suplementar para o ano fiscal de 2020.

==Kyodo

 

Comentários
Loading...