HONDA OPEN: Thomas Choi e Marina Nonaka vencem o Aberto do Arujá

Thomas Choi comemora birdie no 18 e o bicampeonato do Honda Open – 44º Aberto Masculino (Thais Pastor/F2 Assessoria)

Thomas Choi, do São Paulo GC, e Marina Nonaka, que jogava em casa, foram os campeões do Honda Open – 44º Aberto Masculino e Feminino do Arujá Golf Clube, encerrado no último dia 22, em Arujá (SP). O torneio valeu para os rankings masculinos e femininos, scratch e por handicap índex, da Federação Paulista de Golfe (FPGolfe) e como quinta e última competição válida para o ranking do Circuito Honda de Golfe – 2020, que reúne as principais competições do estado de São Paulo.
Choi, que defendia o título ganho em 2019, venceu de ponta a ponta, mas não foi uma tarefa fácil. Depois de começar o dia ganhando por uma, e de jogar o par do campo de ida, o jogador do São Paulo GC viu Carlos Momose, do Arujá, que jogava a seu lado, virar o jogo com três birdies nos primeiros nove buracos e chegar ao tee do 11 liderando por quatro tacadas. Um resultado surpreendente para um jogar de handicap índex 5,2, que enfrentava um dos melhores amadores do Brasil e único com hcpx positivo (+0,1) em campo.

Virada – Momose, no entanto, devolveu rapidamente toda a vantagem, começando com um triplo bogey no 11, onde bateu o drive para o meio das árvores à esquerda, teve que limpar para o meio da raia, mas precisou ainda de outras duas tacadas para chegar ao green e ainda deu três putts. Momose ainda faria um duplo bogey no 13, para terminar o buraco empatado com Choi, que vinha de bogeys no 10, 12 e 13, e com Edinilson Machado de Lima, de Manaus, que começara o dia em terceiro, perdendo por duas, mas voltou a sonhar om o título.
Nos buracos finais, no entanto, prevaleceu a maior experiência de Choi, que fez mais dois birdies, incluindo um de quatro metros no 18, para ser campeão com 148 (74-74) tacadas, quatro acima do par. Momose quase mandou a bola fora de campo no buraco final, errou o green e foi vice-campeão com 151 (75-76) tacadas, sete acima. Edinilson jogou cinco acima nos quatro últimos buracos para terminar em terceiro, com 154 (75-79).
Rumo aos EUA – Choi reconhece que não bateu bem na bola, mas ficou feliz com o resultado. “Conseguiu salvar bastante pares, inclusive um no 15 que foi muito importante para consolidar minha vantagem num dia em que o campo estava difícil, com greens rápidos e bastante vento e com os adversário jogando muito bem, o que animou a competição e me motivou ainda mais nos buracos finais”, conta o campeão.
Choi só permanece no Brasil por causa da pandemia, uma vez que desde agosto integra a equipe de golfe, do Indian Hills Community College, do Iowa, time da Divisão 1 da NJCAA (National Junior College Athletic Association). “Por enquanto estou fazendo aulas online, aguardando meu visto, mas em janeiro já devo ir para os EUA e começar a estudar lá e jogar pelos Warriors a partir de fevereiro”. conta Choi, que vai aproveitar o tempo que ainda tem no Brasil para treinar e recuperar a melhor forma perdida pela falta de competições.

Categorias – Na classificação por handicaps índex até 8,5 o campeão foi Amaro Konno, do Arujá, com 142 (70-72) tacadas, duas abaixo. Adauto Oliveira, também do Arujá, foi o vice-campeão com 145 (74-71), seguido por Bruno Priante, do Imperial terceiro colocado com 146 (73-73) tacadas. Adauto levou também o troféu de campeão sênior.
Na 8,6 a 14, Gilberto Silva, da Associação Esportiva São José, foi campeão com 139 (73-66) tacadas, ao superar Lyn Ahn, do Guarapiranga (70-69) nos critérios de desempate. A decisão do troféu de terceiro colocado também foi nos critérios de desempate, depois que quatro jogares empataram com 140 (-4). Sergio Araújo, do Arujá (74-66) levou a melhor sobre Adilson Momose, de Bastos         (69-71); Giovanni Franco, do Arujá (68-72); e João Carlos Ziliotto, também do Arujá (68-72).
E na 14, 1 a 19,4, vitória tranquila de Kevin Yuan, de Arujá que somou 132 (64-68) tacadas, 12 abaixo e melhor net da semana. Marcelo Fonseca, da Associação Esportiva São José, foi o vice-campeão, com 140 (73-67), ao superar Celso Matuoka, do Arujá (67-73), que ficou em terceiro nos critérios de desempate.

Feminino – Entre as mulheres, a juvenil Marina Nonaka, do Arujá começou o dia empatada em primeiro, mas venceu com 155 (78-77) tacadas, 11 acima do par e cinco à frente de outra juvenil da casa e líder da véspera, Ana Sung Marques, vice-campeã com 160 (78-82). Samire Oliveira também do Arujá, que tentava repetir o título de 2018, somou 163 (85-78), perdendo o troféu de vice-campeã scratch por três tacadas.
Na categoria como hcpx até 16, a campeã foi Angelica Barboza, do Arujá, com 138 (69-69) tacadas, seis abaixo. Mirian Yokota, do Arujá, foi a vice com 145 (74-71), seguida por Samire, que completou o pódio só da casa ao somar 147 (77-70). E na 16,1 a 25,7, vitória de Terezinha Parente Dias, do Arujá, com 142 (67-75). Keiko Shimomaebara, do PL, foi a vice, com 146 (74-72), ao superar Helena Assakawa, do Arujá (71-75), nos critérios de desempate.

Segurança – Apesar de reunir o recorde de 193 jogadores, o Aberto do Arujá foi realizado seguindo todos os protocolos de segurança da Covid-19, de forma a evitar aglomerações. O café da manhã e o almoço foram servidos em kits de isopor, para serem consumidos em espaços arejados e em mesas espaçadas entre si, e de forma escalonada, já que houve saídas entre 6h20 e 13h00 e premiações ao ar livre e divididas por período.
Uma novidade interessante foi a contratação de “Fiscais Covid” que ofereciam álcool em gel para todos os que entravam e saiam do campo, e lembravam a todos o uso obrigatório de máscaras de proteção facial nas áreas comuns. No campo de golfe as máscaras não eram obrigatórias, mas sempre mantendo o distanciamento entre os jogadores.

Homenagem – Mauro Batista, diretor executivo da Federação Paulista de Golfe (FPGolfe) abriu a entrega de prêmios fazendo uma homenagem a Muneki Tikasawa, ex-presidente do Arujá e da Associação Nikkey de Golfe do Brasil, que morreu há duas semanas. A mensagem da diretoria da FPGolfe, lembrou que Tikasawa dedicou grande parte de sua vida trabalhando em prol do golfe, especialmente com projetos ligados a áreas de formação de novos jogadores.

O Honda Open – 44º Aberto Masculino e Feminino do Arujá Golf Clube teve patrocínio Master da Honda e patrocínios da SKN, NGK/NTK, Sompo Seguros, LG, Bahia Golf Car, Club Car, Promoação, Rinnai, Komatsu, Otugui, Veryrio Bolsas e Assessórios, Videokê, Bonare, Boudeville Ventura, Clínica Oriental, Enagic, Korin, Winners Volvik, Olivatto Advogados, Midori Auto Weather, Hoss, Kobber, Studium Produções e Filtros Brasil. A organização foi da FPGolfe e do Arujá GC.
(Fonte: Site da Federação Paulista de Golfe: www.fpgolfe.com.br)

Comentários
Loading...