HAICAI BRASILEIRO: Pardal de inverno – Ipê-rosa – Coriza

Jornal Nippak publica aqui os haicais enviados pelos leitores. Haicai é um tipo de poema que se originou no Japão. Seu maior expoente é Matsuo Bashô (1644-1694). O haicai caracteriza-se por descrever, de forma breve e objetiva, aspectos da natureza (inclusive a humana) ligados à passagem das estações. Hoje, no mundo inteiro, pessoas de todas as idades e formações escrevem haicais em suas línguas, atestando a universalidade dessa forma de expressão.
Envie seus haicais (no máximo três de cada tema sugerido) digitados ou em letra legível, com nome (mesmo quando preferir o uso de pseudônimo), endereço e RG.
Cada pessoa pode participar com apenas uma identidade.
A seleção dos trabalhos é feita pelos haicaístas Edson Kenji Iura Francisco Handa.
Envie suas cartas para:
Haicai Brasileiro
A/C Jornal Nippak
Rua da Glória, 332
CEP 01510-000 São Paulo-SP
E-mail: jornaldonikkey@yahoo.com.br
Cc. ashiguti@uol.com.br


TEMAS DE AGOSTO
Pardal de inverno – Ipê-rosa – Coriza

Enfim cai a tarde –
Diante do ipê-rosa,
só ela não veio.
Antonio Seixas
Magé, RJ

Profundo silêncio –
Olhando pra lá e pra cá
o pardal de inverno.
Benedita Azevedo
Magé, RJ

ah! sem as folhagens
floresce o ipê-rosa
no gramado seco
Carlos Viegas
Brasília, DF

O pardal de inverno
solitário no gramado –
Volto a caminhar.
Cristiane Cardoso
São Paulo, SP

na janela do ônibus –
atrás do ipê-rosa
os prédios cinzentos
Daniel Morine
Santos, SP

Logo bem cedinho
um funga-funga sem fim –
Coriza incessante
George Goldberg
Londres, Inglaterra

Flutuam sininhos
sobre capinzal crestado.
Flores de ipê-rosa!
Irene Fuke
São Paulo, SP

Ao longo do rio
levadas pela correnteza –
Flores de ipê-rosa
Jô Marcondes
Irati, PR

migalhas de pão
a pomba faz companhia
ao pardal de inverno
José Marins
Curitiba, PR

na calçada cinza
carregadinho de flor
jovem ipê rosa
Madô Martins
Santos, SP

Manhã sonolenta –
Solitário no jardim
o pardal de inverno.
Mahelen Madureira
Santos, SP

Sem nenhuma folha
Ipê rosa da avenida
coberto de flores
Matusalém Dias de Moura
Iúna, ES

À porta da escola,
menino seca a coriza
na própria camisa
Matusalém Dias de Moura
Iúna, ES

Pardal de inverno –
Só o mendigo percebe
o triste cantar
Regina Alonso
Santos, SP

Coriza escorre
pelo nariz do vigário –
Fiéis se afastam
Regina Alonso
Santos, SP

No sol do telhado,
Só um pardal de inverno,
Cantando fraquinho.
Reneu Berni
Goiânia, GO

Enxuga no braço
a coriza que não passa
– Caminho da escola.
Zekan Fernandes
São Paulo, SP

Dias de penúria –
Bica as frestas da calçada
um pardal de inverno.
Zekan Fernandes
São Paulo, SP

 

Temas de setembro (postar até 10 de agosto)
Mutuca – Flor de cerejeira – Dia da Ave

Temas de outubro (postar até 10 de setembro)
Canário-da-terra – Agrião – Plantar café

Comentários
Loading...