Fukushima trilha o caminho da reconstrução

Descendentes de imigrantes de Fukushima visitam a província em reconstrução nove anos após a catástrofe

Hanamiyama-onde-as-flores-de-cerejeira-em-plena-floração-são-lindas

“Vou me encontrar pela primeira vez com parentes distantes”, disse Levi Sato, de 32 anos, descendente da terceira geração que se mostrava um pouco tenso durante a espera pelo embarque no Aeroporto Internacional de Guarulhos.

Apesar da expressão triste por ficar longe da família, Ágatha Sayuri Murakami, de 22 anos, descendente da quinta geração, tinha um olhar que brilhava de expectativa: “Mal posso esperar para conhecer tudo. Estou bastante animada”.
Oferecido pela prefeitura provincial de Fukushima, o Estágio para Descendentes de Provincianos da América Latina e da América do Norte ocorreu entre os dias 22 a 31 de janeiro, com a participação de cinco países: Brasil, Estados Unidos, República Dominicana, Peru e Argentina.
Os estagiários conheceram os trabalhos de reconstrução da província após o Grande Terremoto do Leste do Japão e o acidente nuclear na usina Fukushima Daiichi. Também aprenderam sobre a cultura e a história locais, tornando-se uma experiência bastante proveitosa.
Ouvindo-a-explicação-da-maquete-que-reproduz-o-acidente-na-usina-nuclear-Fukushima-Daiichi

 

Impressionante relato da época

“Por que será que não fugi naquela hora? Ainda guardo essa pergunta, mesmo nove anos depois”. Quando Hideko  Igarashi,  de  72  anos,  narradora  do  Salão  Memorial  de  Soma,  começou  a  contar  sua  experiência durante a catástrofe, a repórter sentiu um repentino aperto no coração.
Sobrevivente-relata-sua-experiência

Ela sobreviveu ao grande tremor de 11 de março de 2011. Mas uma hora depois, quando se encontrava na estrada de mãos dadas ao tio e ao marido, viu o mar subir violentamente.

Incapazes de se mover, os três foram engolidos pelo gigantesco e impiedoso tsunami. A fúria das ondas era imensa, o que fez ela soltar as mãos do tio e do marido. “Hideko!”, o marido gritou três vezes enquanto era arrastado pelas ondas. Ela gritou por ele, mas também foi levada pela água. Essa foi a última vez que viu o marido.
Os  estagiários  ficaram  impressionados  com  o  relato  chocante,  que  foi  traduzido  para  o  inglês  por  um intérprete e foi liberado para os turistas ouvirem também.

 

➡Este matéria é resumo de minissérie. leia matéria integra na RECONSTRUÇÃO DE FUKUSHIMA1

Exposição com tecnologia de ponta mostra as medidas adotadas para terremotos
Para transmitir as gerações futuras as lições deixadas pelo terremoto, várias instalações foram criadas para promover a província de Fukushima e também estão disponíveis para turistas.
Por exemplo, o Centro da Província de Fukushima para Criação Ambiental, mais conhecido como Comyutan Fukushima, possui um auditório esférico de 360°, o segundo no mundo, exibindo imagens da rica natureza e cultura da província.
O Centro de Desenvolvimento de Tecnologia de Controle Remoto de Naraha trabalha para aprimorar a tecnologia remota em trabalhos de descomissionamento.
Dispositivos de controle remoto, como robôs, são imprescindíveis para desativar a usina Fukushima Daiichi, inacessível para pessoas. Os estagiários tiveram a oportunidade de explorar o interior da usina nuclear usando óculos 3D e experienciaram o que está sendo desenvolvido em termos de tecnologia de ponta.

O primeiro centro de treinamento de futebol do Japão, o J-Village, é o local onde a seleção japonesa faz seus treinos. Durante a Copa do Mundo de 2002, realizada no Japão e na Coreia do Sul, a instalação foi utilizada pela seleção argentina e, em 2007 e 2009, pela seleção chilena. Após o terremoto, o local foi reaberto em julho de 2018 e conta com um hotel de luxo e um campo de futebol coberto.

J-Village
Como símbolo da reconstrução de Fukushima, o J-Village será o ponto de partida para o revezamento da tocha olímpica, a partir de março. O local está aberto para visitação e os turistas certamente sentirão a “força dos japoneses para reconstruir a província”.

 

A jornada emocional em busca das raízes
Na tarde do dia 26 de janeiro, Levi Sato, com expressão tensa,  aguardava no saguão do hotel quando Jun Sanada, de 83 anos, morador da cidade de Fukushima, entrou acompanhado.
“Seu bisavô é o primo do meu pai,Giuemon, que imigrou para o Brasil?”. Levi confirmou a informação e o idoso respondeu contente, “Então somos parentes”.
Centro-de-Desenvolvimento-de-Tecnologia-de-Controle-Remoto-de-Naraha.

O  irmão mais velho de Giuemon também  imigrou  para  o  Brasil e seus descendentes moram no Paraná. Já os descendentes de Giuemon  Sato, incluindo Levi, moram em São Paulo, mas o contato entre as duas famílias continua até hoje, encontrando-se anualmente em uma grande festa.

Após uma hora de conversa, Levi lamentava a despedida, mas cumprimentou Jun  e  seus  acompanhantes,  trocando  informações  para  manter  o  contato.
“Estou emocionado por finalmente encontrar com meus parentes. Quero vir ao Japão para investigar minhas raízes”, revelando seus planos para o futuro.

 

 

Turismo em Fukushima é aqui!
Castelo-Tsurugajo-no-outono-cidade-de-Aizuwakamatsu

Tsurugajo, o castelo inexpugnável que resistiu ao ataque das forças do governo. Os estagiários tinham muita curiosidade para conhecer o castelo Tsurugajo, símbolo da cidade de Aizuwakamatsu  que foi construído há cerca de 630 anos. Uma vista magnífica da cidade se estende do topo da construção de cinco andares. O castelo suportou por um mês o cerco das forças do novo governo na Guerra Boshin, último conflito civil no Japão, ocorrido há 150 anos.

Flores-de-cerejeira-e-Castelo-de-Tsurugajo

Posteriormente, foi derrubado pelo governo Meiji, mas reconstruído em 1965. Atualmente, a torre abriga um museu local. Do monte Iimoriyama pode-se ver a cidade ao redor do castelo Tsurugajo.

Durante a guerra civil, 19 membros do yakkotai (Unidade do Tigre Branco, grupo formado por jovens guerreiros de 16 a 17 anos) cometeram suicídio após uma discussão acalorada para decidir lutar contra o inimigo ou fugirem para o castelo, ao verem a cidade em chamas.  Muitas pessoas visitam o monte para depositarem flores em seus túmulos.
Tsurugajo-no-inverno-cidade-de-Aizuwakamatsu.

 

Fukushima, a terra dos pêssegos doces e suculentos!
A-variedade-Akatsuki-considerada-o-rei-dos-pêssegos.

É difícil escolher um presente entre tanta variedade de produtos locais no Centro de Promoção de Produtos de Fukushima. Mas sem dúvida, a especialidade

de Fukushima são os pêssegos. Cultivado meticulosamente, a doçura da fruta em si é uma obra de arte, mas também existem produtos derivados como choux cream, gelatinas, sorvetes, daifuku (bolinho de arroz glutinoso recheado com pasta doce de feijão azuki), manju (doce assado e recheado com pasta doce de feijão azuki), sucos, entre outros. São tantos produtos dispostos nas prateleiras que nos sentimos felizes apenas em olhar.

Conhecida como a terra do pêssego, em Fukushima existem mais de cem variedades da fruta. A principal delas é a Akatsuki, com alto teor

de açúcar, polpa carnuda e suculenta. Além disso, a cidade de

Os-pêssegos-produzidos-em-Fukushima-são-doces-carnudos-e-suculentos.

Koorimachi é conhecida como a “capital do pêssego oferecido a família imperial”, por ter sido selecionada para oferecer seus pêssegos a família imperial japonesa por 26 anos consecutivos.

A melhor época é entre julho e agosto. Que tal experimentar os pêssegos de Fukushima quando visitar o Japão para os Jogos Olímpicos?

 

 

➡Este matéria é resumo de minissérie. leia matéria integra na RECONSTRUÇÃO DE FUKUSHIMA1

Fukushima é a província número um em saquês e detém o maior número de Golden Prizes por sete anos consecutivos

Bom arroz, boa água e boas condições climáticas são essenciais para a produção de saquê. A província de

Fábrica-de-saquê-e-saquê-local.(httpsgokujo-aizu.com)

Fukushima, que reúne todas essas qualidades, é um produtor famoso da bebida. No Annual Japan Sake Awards, competição entre os melhores saquês, a província detém por sete anos consecutivos o primeiro lugar em número de rótulos premiados com o Golden Prize, premiação máxima do evento.

Um dos estagiários comprou mais de dez garrafas de saquê quando o grupo visitou a fábrica Suehiro Kaeigura, em Aizuwakamatsu. O rótulo Kaeigura Daiginjo, da mesma fábrica, foi premiado com o Golden Prize.
Ao todo, 22 rótulos foram agraciados com a premiação, como o Hirotogawa da fábrica Matsuzaki, o Kinsuisho da fábrica de mesmo nome, o Yuki Komachi da fábrica Watanabe, entre outros.
Ágatha, uma das estagiárias, comentou: “Achei que não conseguiria beber saquê, mas acabei gostando”. Talvez a deliciosa bebida ganhe mais adeptos.
O-governador-e-representante-da-fabricantes-de-saquê.-Sakê-de-Fukushima-se-tornou-o-melhor-do-Japão-por-sete-anos-consecutivos.j

(texto extraído do Jornal Nikkey Shimbun. Repórter Akiko Arima viajou a convite do Governo da Província de Fukushima)

 

Este artigo foi publicado em Jornal O Estado de São Paulo, caderno Sextou,no dia 28 de fevereiro como INFORME PUBLICITÁRIO.

20200228Estado-Sextou-Viagar-Fukushima.

 

➡Este matéria é resumo de minissérie. leia matéria integra na RECONSTRUÇÃO DE FUKUSHIMA1

➡Continuar lendo para RECONSTRUÇÃO DE FUKUSHIMA2

➡“Fukushima está bem, venham nos visitar!” Depois do estágio na província, participantes fizeram palestra

 

 

Site Estação de Revitalização de Fukushima
Site Estação de Revitalização de Fukushima

➡Revitalização de Fukushima

➡Segurança alimentícia

➡Recuperação ambiental

➡Desastre nuclear da Tokyo Electric Power Company (TEPCO) em Fukushima Daiichi

➡Perfil da Província de Fukushima

➡Facebook Fukushima Guide

 

Comentários
Loading...