Fly Fishing (Pesca com mosca) – Apresentação

Se você não conhece, já deve ter visto filmes ou então ao vivo, pescadores com longas varas flexíveis, equipados com linhas grossas e coloridas voando no ar, que depois pousam mansamente na superfície dágua.
Por: Mauro Yoshiaki Novalo

Com poucos adeptos no Brasil, em comparação as pescarias tradicionais, sendo comumente associada a pescarias de trutas e salmões, pode capturar senão todas, a maioria das espécies presentes no território nacional, sejam de água doce ou salgada, desde que com equipamento e linhas adequados. Como bandeira da modalidade, o pesque e solte é praticado, sempre avaliando as melhores condições para devolução do espécime com segurança para água.

Linha
Uma das diferenças visíveis desta modalidade, é a linha, muito mais grossa, composta de 2 partes, alma e o revestimento que, conforme o material utilizado na fabricação, altera sua densidade, fazendo-a ser flutuante (floating) ou afundante (sinking) ou com parte floating e apresentação da isca na seção siniking. O comprimento pode variar entre 10 a pouco mais de 30m.
Sua nomenclatura e especificação segue uma regra mundial com numeração variando conforme o peso, e vai até 15, a mais pesada. Exemplo: se a embalagem mostrar linha WF8F = WF de weight forward (peso a frente), numeração 8 e F (flutuante).
Podemos ter tipos e modelos específicos, conforme cada fabricante, para atender as diversas situações sejam elas climáticas ou de pesca. Alta tecnologia costuma ser empregada para produção destas linhas e assim satisfazer as condições citadas anteriormente, podendo alterar substancialmente dependendo do local. Assim, a linha a ser utilizada no frio da Patagônia tem características diferentes da usada no clima tropical em rios da Amazônia.

Vara
Atualmente o blank (haste) é em fibra de carbono (grafite) e como acontece com a linha, podem apresentar algumas mudanças, seja em relação ao comprimento, número de partes e componentes. Artesanalmente, tem montadores que preferem o bambu como matéria prima, e estas varas “vintages” ganharam fama novamente e com versões reformuladas, voltaram a ser sucesso de vendas sendo customizadas e personalizadas conforme vontade do pescador. Outro material muito utilizado no seu início para a construção das varas de bait, a fibra de vidro, após serem remodeladas em ambas modalidades, também passaram a ter boa aceitação..
A função da vara é transmitir a energia para a linha no momento do arremesso, e ser flexível o suficiente para funcionar como “fricção” e cansar o peixe, possibilitando uma boa “envergardura” nestas brigas. Sua numeração acompanha a da linha, isto é, para vara 4 a linha recomendada é a de mesmo número.

Mosca
É a isca – extremamente leve, quase sem peso – que é rebocada pela linha para próximo ou onde se espera a passagem do peixe. Confeccionada com penas de aves, pelos de animais (coelho, raposa e etc) e material sintético. Existem grandes criadores especializados em fornecer este material, que demanda cuidados especiais para se ter no final os efeitos desejados. As moscas imitam elementos da natureza: insetos, larvas, peixes, crustáceos ou pequenos roedores, frutas, algas, ou algo similar ao que o peixe está comendo na ocasião. A mosca seca (flutuante) e molhada (afundante) são alguns dos detalhes a serem observados na sua montagem.

Carretilha

 

Basicamente tem a função de armazenar a linha de fly e o backing – linha de dacron que complementa o comprimento da linha principal, para ter metragem suficiente para a briga com o peixe. Para os grandes e briguentos, têm-se carretilhas dotadas de fricção (sistema de freio). E para água salgada, as confeccionadas em material resistente à corrosão.

Líder e tippet
O líder (normalmente montado com partes de monofilamentos de diferentes diâmetros), é atado diretamente ao final da linha de fly. Depois do líder, temos o “tippet”, uma linha mais fina (em relação ao líder) para melhor apresentar a isca ao peixe, sem assustá-lo. Funciona também como fusível, no caso do peixe ou estrutura forçar demais até o risco de rompimento, direcionando para ser justamente nesta parte, preservando o restante da montagem.

Dica
O uso de boné ou chapéu, óculos preferencialmente com lentes polarizadas, e proteção para o pescoço são indispensáveis para segurança do flyfisher (praticante de pesca com mosca).
Como temos muito a falar sobre esta modalidade, continuaremos a tratar do tema em edições futuras.
Quando possível, ótimas pescarias!!!


Apoio

Guss Produções www.gussproducoes.com.br
Maré Iscas www.mareiscas.com.br
Massas e Produtos Petersen www.petersen.com.br
Deconto Iscas Artificiais www.morodeconto.com.br
Moro Fishing www.morofishing.com.br
Piscicultura Chang www.pisciculturachang.com.br
A Radio Atividade www.aradioatividade.com.br
Uhobby www.uhobby.com.br

Comentários
Loading...