ETIQUETA EM CASAS JAPONESAS: Comportamentos e tradições que devem ser respeitados e seguidos

Assim como cumprimentamos os anfitriões com beijos, abraços ou apertos de mão ao entrar em uma residência brasileira, algumas regras de etiqueta também devem ser seguidas no Japão como forma de demonstrar respeito e educação.
Entre os japoneses, a educação é tão importante que se tornou um estilo de vida conhecido por omotenashi (traduzido por “hospitalidade japonesa”), aplicado tanto em locais públicos quanto dentro de casa, por pessoas mais velhas e mais jovens. Assim percebe-se que não será o tempo que acabará com essa tradição ensinada e aprendida desde a infância.
Dessa forma, para não cometer erros graves e retribuir todo bom comportamento dos donos da casa, é essencial conhecer o básico das regras de etiqueta japonesa que implicam desde a sua entrada na residência até a sua saída. Alguns passos podem parecer desnecessários a quem nunca os colocou em prática, porém, já falam muito sobre sua personalidade.

No Japão, educação é tão importante que se tornou estilo de vida (divulgação)

Forma correta de cumprimentar
Quando o assunto é saudação no Japão, é ideal levar em conta a sua intimidade com a outra pessoa, já que, diferentemente dos brasileiros, os japoneses prezam por espaço pessoal, sendo incomum a aproximação para beijos, abraços e apertos de mão mesmo em situações informais.
O mais correto e indicado é cumprimentar com uma leve inclinação de ao menos 45º que deve durar de 2 a 5 segundos, dependendo do respeito que deseja aparentar. Em casos mais informais e com indivíduos mais íntimos, um leve sorriso ou um aperto de mão pode ser o suficiente, mas não inicie o contato direto, apenas retribua se o anfitrião começar o gesto.
Além disso, lembre-se sempre que ao entrar na residência ou em demais locais privados, é mportante dizer “ojama shimasu”, expressão similar a “desculpe o incômodo” ou “estou entrando”.

Presentear os donos da casa pelo convite é uma forma de respeito (divulgação)

Levar uma lembrança
Ao visitar uma família japonesa, o ideal é levar uma lembrança, traduzida em japonês como “omiyage”. Presentear os donos da casa com um “omiyage” é mais que apenas uma forma de agradecimento pelo convite, representando também respeito, consideração, humildade e educação. Uma boa lembrança não precisa ser cara, podendo ser um doce feito por si ou algum item típico comprado próximo ao seu local de estadia ou alguma região a qual visitou. Deve estar embalada como um presente em uma caixa, um embrulho simples e bonito ou um pano, chamado de furoshiki.
Entregue o souvenir antes de entrar, dizendo expressões que indiquem humildade, como “é simples, mas…”.

Não entrar com sapatos é regra básica (divulgação)

Não entrar com sapatos
A regra de não entrar com sapatos é básica em todos os locais privados e alguns públicos, como por exemplo: escolas, restaurantes específicos, hospitais e templos, de modo que é comum observar na entrada um degrau mais baixo, o “genkan”. O “genkan” é uma área reservada para a retirada e armazenamento dos calçados, além de disponibilizar, em sua maioria, pantufas para as visitas.
O ato de tirar os sapatos ao entrar é necessário tanto como uma forma de higiene física do ambiente, quanto espiritual, já que se acredita que, ao deixar os calçados no “genkan”, as energias impuras são impedidas de invadir o lar e quebrar seu equilíbrio e harmonia.
Logo, uma casa é vista como um local sagrado que deve ser respeitado e mantido em segurança de elementos externos. Ao ficar descalço, o visitante demonstra o mesmo respeito do hospedeiro pela casa e pela família.

Contato visual deve ser evitado (divulgação)

Evitar encarar fixamente uma pessoa
Entre os ocidentais, olhar nos olhos enquanto conversamos é uma maneira de expressar verdade, interesse e respeito, contudo, entre os japoneses o contato visual é entendido como uma ofensa, sendo sugerido não olhar diretamente nos olhos, mas sim para outros pontos mais baixos do rosto, como, por exemplo, a boca, o nariz ou o pescoço.
Nessas situações, não se esqueça de mudar com mais frequência o seu foco visual, observando também o ambiente ou mesmo o chão.
A falta de hábito do contato visual foi passada de geração em geração e se mantém até hoje em algumas famílias. Para demonstrar seu interesse na conversa, não deixe de interagir respondendo com “hai” ou “hmmm”.

Durante uma conversa, não é indicado falar alto ou interromper (divulgação)

Não falar alto ou interromper
Durante uma conversa tanto numa visita à uma residência ou em qualquer lugar do Japão, não é indicado falar alto ou mesmo interromper, pois isso é visto como falta de educação e incômodo às pessoas ao redor.
No diálogo, o melhor mesmo é sempre esperar o outro terminar de falar para em seguida você responder, porém, em um tom moderado e com pouca movimentação das mãos mantendo o respeito e a compostura diante de outros indivíduos. Evite também o contato físico, como toques e cutucadas, não se esquecendo da importância do espaço pessoal.

É essencial conhecer a forma correta de se sentar no estilo japonês (divulgação)

Sentar-se corretamente
Atualmente, muitas casas japonesas possuem mesas de jantar não havendo a necessidade de se sentar no chão, entretanto, caso você se encontre na situação de não haver cadeiras no ambiente, é essencial conhecer a forma correta de se sentar no estilo japonês, chamada por “seiza”.
Normalmente, a “seiza” é feita em tatami ou zabuton (traduzido por almofada), sendo reconhecida pela forma de sentar sobre os calcanhares com as costas eretas, representando formalidade, respeito, humildade e disciplina.
Caso não consiga ficar na posição por muito tempo, não se preocupe, sente-se confortavelmente tirando a pressão dos calcanhares. Até porque mesmo os japoneses mais jovens sentem desconforto com essa postura, já que não estão acostumados a praticar a “seiza”.

Itadakimasu e gochisou sama indicam gratidão pelo alimento (divulgação)

Falar itadakimasu e gochisou sama deshita
Antes de qualquer refeição, diga itadakimasu e, ao final, não esqueça de falar gochisou sama deshita ou apenas gochisou sama, ambos devem ser feitos com as mãos unidas em prece (“gasshô”) e com a cabeça levemente inclinada. Essas são expressões que indicam gratidão pelo alimento.
Procure também evitar desperdícios comendo tudo o que há em seu prato e não arrote ou assoe o nariz à mesa, essas são regras básicas que expressam seu respeito à comida e aos anfitriões.

Não deixe de demonstrar gratidão e gosto pelo sabor da comida (divulgação)

Demonstrar satisfação pela comida
A satisfação pela comida, no Japão, muitas vezes é mostrada a partir dos sons emitidos durante a refeição, sendo indicado principalmente em casos de sopas e macarrão, mas, sendo algo incomum aos ocidentais, não é obrigatório emitir ruídos, nessas circunstâncias, apenas não deixe de demonstrar a gratidão e gosto pelo sabor da comida, dizendo o quanto está bom, com uma certa frequência, garantindo que seu anfitrião perceba o quanto está satisfeito.
Comparadas aos costumes ocidentais, a tradição e cultura japonesa pode parecer difícil de incluir em nossa rotina, contudo, sendo convidado a uma casa no Japão não deixe de experimentar todas as experiências da viagem, pois essa será uma maneira única de aprendizado e respeito a uma nova cultura que tem muito a oferecer e ensinar.
(Mariana Kisaki)

Comentários
Loading...