Estamos no outono!! Por enquanto o sol continua a brilhar…

Previsões sinalizam dias de sol para os próximos dias, mesclando noites com temperaturas mais amenas, com boas perspectivas para quem tem e pode estar na beira dos lagos.
Por: Mauro Yoshiaki Novalo
O verão se caracterizou por chuvas intensas o que ajudou imensamente para encher as represas paulistas e deixá-las após tantos anos, num nível positivo para enfrentar o outono e inverno, normalmente marcado por poucas chuvas.
O período de quarentena continua e além da Covid-19, o estado paulista ainda tem a investida da gripe H1N1, dengue, shikungunya, zica vírus e a febre amarela. Não está fácil a vida para os que tem mais de 60 anos, doentes crônicos ou que sofrem de problemas respiratórios. É se precaver, e tudo vai passar.
Com o sol que vigora na capital paulista, lagos particulares e tanques de pesque-e-pagues continuam com os peixes ativos, que partem com vontade para cima das iscas mais variadas, sejam naturais ou artificiais.
Com o isolamento social, é a oportunidade de pegar dicas para aplicar quando tudo estiver liberado novamente. Para o pescador de primeira viagem se dar bem, digamos sem precisar usar de muita técnica. Seguem algumas dicas:

Conhecer a área
Como em qualquer pescaria, primeiro você tem de saber quais espécies podem ser encontradas no local, e aí partir para o peixe desejado. Cada espécie terá uma isca mais apropriada, tralha correta e horários propícios para se obter o êxito na captura (informações facilmente obtidas com o responsável pelo local).

Cevar
Os exemplares maiores, mais desconfiados, demoram mais para chegar no tumulto. Por isso, procure cevar para atrair os pequenos e aguarde um pouco antes de lançar a isca. Às vezes compensa jogar uma maior quantidade de ração flutuante, e ao perceber grandes e escandalosos rebojos, este é o momento para posicionar a sua isca.

Isca
Ração de peixe, cachorro e gato valem como isca. Se não tiver furo, utilize um furador para perfurar e assim facilitar sua acomodação no anzol. Normalmente passamos duas a três iscas com furo e travamos a saída, fixando uma terceira ração na ponta do anzol. Antes de iscar: procure deixar a ração na água uns dois minutos para amolecer e ficar no ponto.

Iscas vivas
Iscas naturais como grilo, bichos de pão e da laranja, minhoca, escargots e minhocuçus também podem ser utilizados. Melhor adquirir no local. Assim, sempre os terá bem vivos e saudáveis – diferencial para atrair o peixe.

Embutidos
Queijo, mortadela e pedaços de salsicha completam o arsenal de iscas. O queijo é mais indicado para os grandes redondos. Para eles tenha um empate de aço, se não a chance de ter sua linha cortada é grande. Mortadela cai no gosto dos catfishes e dos peixes de couro. A salsicha para matrinxãs, piaus e dourados também tem a sua versão artificial. Para travar o anzol na salsicha, depois de cortar a isca no tamanho desejado e passar o anzol, é espetar pelo menos dois pedaços de macarrão (palito mais grosso que achar) no vão de abertura anzol . Assim não perde a isca nos arremessos e não prejudica os lagos com artigos inapropriados como por exemplo: palitos de dentes.

Tilápia maiores
Para capturar seu grande exemplar de tilápia, procure utilizar uma massa mais doce ou bichinhos de pão. Use o apoiador para seu conforto e manter a linha sempre esticada para perceber qualquer movimento. Se identificar a linha movimentando devagarinho, fisgue! Outra opção é a ração artificial seja ela flutuante (cortiça, pelo, eva e etc) ou afundativa (miçanga e seus imilares). A ponteira inteligente (ou “cagueta”) dispostas nas pontas das varas facilita a visualização da pegada na isca das mais astutas.

Redondos
Grandes redondos podem ser capturados com pedaços generosos de pão francês e até nozes. Frutas como goiaba, acerola, pitanga ou coquinho também entram na lista de iscas. Mas não se esqueça de colocar um empate de aço para preservar a linha dos dentes fortes desses peixes.
Imitação de ração combinado com ração flutuante na bóia cevadeira, costuma ser fatal para estes peixes nos dias quentes.

Doce na massa
Para turbinar sua isca, saiba que os redondos preferem massa com cheiro forte. O ideal é acrescentar queijo e retirar o ingrediente doce. Para tilápia, troque o queijo pelo açúcar. Vale acrescentar groselha ou essência de frutas como maracujá e laranja.

Mão na massa
Para facilitar a vida do pescador, há uma grande variedade de marcas de massas para todos os gostos e espécies de peixes. Elas já vêm prontas para serem usadas, bastando apenas moldar no tamanho desejado. Outras vêm em potes ou embalagens plásticas, faltando adicionar água para dar liga. Acrescente o suficiente para poder moldar e não aperte sobre o anzol. Apenas posicione o anzol no meio da isca e encaixe. Se perceber que a massa está caindo no lançamento, dê mais liga – banana amassada resolve o problema.
Dica: para segurar melhor, usar os anzóis com mola e moldar a massa em formato de coxinha.

Tempo quente
Nos dias quentes, fuja das áreas mais movimentadas do lago. O peixe não escuta, mas sente a vibração que é transmitida pela água. Falar nas margens pode, mas correria assusta o peixe, que acaba se concentrando no centro ou em áreas mais profundas do lago. Nesse caso, se estiver utilizando bóia, posicione sua isca perto da superfície, junto aos rebojos. Se estiver pescando no fundo, arremesse também nesta direção.

Para fotografar
Não faça uso de pano, apenas molhe as mãos para segurar o peixe. Outro ponto importante é procurar mante-lo sempre na horizontal para não prejudicar seus órgãos internos. Carpas têm a boca frágil, assim, não utilizar os alicates de contenção tipo boga grip, que podem estourar a boca dessas espécies. Procure manuseá-los com cuidado e segurança no menor tempo possível.

Cuidado com o espinho
Tilápias podem ser retiradas da água, segurando-as firmemente na parte de baixo da boca. As grandes merecem mais atenção – cuidado com os espinhos do dorso. Aqui o alicate de contenção resolve o problema com segurança, sem ser preciso tocar no peixe.

Na varinha de mão
Se estiver somente com varinha de mão, procure ficar junto da entrada ou saída de água doce do lago. Na entrada, a oxigenação é das melhores devido à movimentação. Na saída, é para onde vai parar a ração flutuante lançada no lago, concentrando os peixes. Utilizando pequenas bóias você pode posicionar sua isca na altura desejada – se for de fundo, eliminar a bóia. Vale lembrar que onde tem peixe pequeno, os grandões estão sempre na espreita.

Vai chover?
Excelente… Nuvens escuras e probabilidade de chuva forte? Fique atento e preparado porque um pouco antes de cair o temporal, os peixes vão comer como loucos. E logo depois do aguaceiro é boa hora para voltar a pescaria.

Chovendo…
Durante o período da chuva, opte pela meia-água ou fundo. Na meia-água, coloque bóias coloridas para melhorar a visualização. Os peixes tendem a descer até encontrar uma zona de temperatura confortável. Caso estejam ocorrendo raios e trovoadas, atenção, as varas atuam como para-raios portanto abaixe-as todas no chão e PARE imediatamente a pescaria.

Olho na linha
Se o local for livre de estruturas como galhadas, monofilamento de 10 a 20 lb no molinete ou carretilha, completando com líder de 20 lb. Um pequeno empate ajuda nos peixes com dentição. Para pacus ou peixes de couro, linha 15lb, com empate de aço.

Plugs e spinners
Utilizando iscas artificiais, a fisgada tem de ser rápida. O peixe percebe a artimanha e larga a isca. Pequenos plugs ou spinners rendem bem.

Eficiência
Bóias cevadeiras aumentam as chances de fisgada, uma vez que permitem que a isca fique nas proximidades da ceva liberada. Se acertar na cor da ração artificial suas chances aumentam e muito!

Fricção do molinete
Ao utilizar molinete ou carretilha, procure deixar a fricção quase fechada, só abrindo caso sinta que o peixão é maior do que esperava. A linha solta facilita ao peixe escapar do anzol, além da folga permitir que ele passeie pelo lago – o que pode significar linha embaraçada com a dos outros pescadores.

Material básico
Não esqueça do boné e óculos escuros. A cadeira sempre dá mais conforto na pesca principalmente na pesca de esperas com isca natural, se for dobrável vai facilitar e muito a sua guarda e transporte.

Tralha completa
Tenha sempre um alicate trava peixe e um de bico para retirar o anzol da boca do peixe. Apoiadores e salva varas complementam sua tralha. Se quiser saber o peso, é usar o alicate de contenção com balança – menos para os peixes de bocas frágeis, como as carpas.
Sempre o recomendável, é não retirar o peixe dágua e se o fizer que seja no menor tempo possível e com segurança! Jamais deixar o peixe se debater no chão.
Ótimas pescarias!


Apoio:

Guss Produções www.gussproducoes.com.br

Maré Iscas www.mareiscas.com.br

Massas e Produtos Petersen www.petersen.com.br

Deconto Iscas Artificiais www.morodeconto.com.br

Moro Fishing www.morofishing.com.br

Piscicultura Chang www.pisciculturachang.com.br

Uhobby www.uhobby.com.br

Comentários
Loading...