BUNKYO RURAL LIVE: Live nesta sexta apresenta São Gotardo, um dos mais importantes polos de hortifrútis do país

Em 2019, o então recém-eleito presidente do Bunkyo, Renato Ishikawa e membros da Comissão do Bunkyo Rural realizaram uma visita técnica a São Gotardo (arquivo/Aldo Shiguti)

De uma região desprestigiada, São Gotardo, no cerrado mineiro, se tornou um dos mais importantes produtores de hortifrútis do país. Hoje, além de ser considerada a principal produtora de cenoura do Brasil – responde por cerca de 25% da produção nacional – a região também é uma das principais produtoras de alhho, além de cultivar abacate, batata, beterraba, cebola, feijão, milho, trigo, citricale e café.
Da jocosa expressão “Cerrado, só dado ou herdado” para a live “São Gotardo, Cerrado Desbravado, Alimenta o Mundo”   que o Bunkyo – Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social – por meio da Comissão Bunkyo Rural, em conjunto com o Conselho da Região de São Gotardo, MG, apresenta nesta sexta-feira, 30, das 19h às 21h, foi necessário muito persistência dos desbravadores, principalmente filhos dos cooperados da Cooperativa Agrícola de Cotia (CAC) dos Estados de São Paulo e do Paraná.
Dois programas implantados na década de 70 foram fundamentais para impulsionar a ida dos agricultores para a região: o Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados (Prodecer) e o Programa de Assentamento Dirigido ao Alto Paranaíba (Padap), que contaram com apoio da CAC e do governo do Estado de Minas Gerais.
Destinado aos empresários do setor agrícola, da área de ensino, supermercadistas, atacadistas, agricultores, exportadores, pesquisadores, consumidores e estudiosos do assunto, a live tem como objetivo enfocar os desafios para o desenvolvimento da agricultura brasileira face à crescente demanda internacional por alimentos de qualidade e mais saudável ao consumidor. Além disso, busca ressaltar os investimentos em mão de obra, infraestrutura, tecnologia e promoção dirigida às exportações.

Abertura – Na abertura do evento está programada a palestra magna do ex-ministro da Agricultura Alysson Paulinelli, cuja gestão criou-se, em 1974, o Prodecer – Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados, em conjunto com o governo japonês. Durante seu mandado criou-se ainda a Empresa Brasileira de Pesquisa Agricultura, Agropecuária (Embrapa) com o grande desafio de viabilizar a produção agrícola no Cerrado Brasileiro.
O ex-ministro Paulinelli é formado em Engenharia Agronômica pela Universidade Federal de Lavras, e especializou-se nos estudos sobre o potencial da região do Cerrado para a produção agrícola.

Temas – Em seguida, estão programadas as seguintes palestras: “A implantação do Padap – Programa de Assentamento Dirigido do Alto Paranaíba”, com Seiji Eduardo Sekita, prefeito municipal de São Gotardo, produtor rural, membro associado da Coopacer (Cooperativa de Agronegócios do Cerrado Brasileiro) e membro do Conselho da Região de São Gotardo; “Fundação e Estruturação do Conselho da “Região de São Gotardo”, com Jorge Kiryu, engenheiro agrônomo pela Esalq – USP 1975, agricultor no município de Rio Paranaíba/MG com cultivo de alho, abacate e café; foi presidente da Coopadap (Cooperativa Agropecuária do Alto Paranaíba) e presidente da Anapa – Associação Nacional dos Produtores de Alho, atual presidente do Conselho da Região de São Gotardo; “Plataforma da Região São Gotardo”, com Jussara Oliveira, enfermeira, pós graduada em Urgência e Emergência; foi gestora dos Serviços Públicos de Saúde por mais de 4 anos e atualmente atua como Gerente Executiva da Região de São Gotardo; “Tecnologia a Serviço da Agricultura”, com Hugo Massakazu Shimada, bacharel em Direito, pós-graduação em Gestão em Agronegócios, diretor do Instituto Brasileiro de Hortaliças, membro do Conselho da Região de São Gotardo e Produtor Rural; Cooperativismo, agregação de valor e comercialização”, com Carlos Alexandre Kiryu, engenheiro agrônomo, produtor rural e membro do Conselho de administração Coopadap e Agricultura Empresarial; “Sucessão e gestão profissionalizada”, com Walter Seiti Minami, formado em Agronomia e Gestão de Agronegócios, foi estagiário no IAC – (Ribeirão Preto Intercâmbio com agricultura na Holanda)

São Gotardo é um dos principais produtores de alho do país (arquivo/Aldo Shiguti)

Jovens – Para conhecer essa história de perto, em 2019 a Comissão do Bunkyo Rural programou uma visita técnica à região de São Gotardo e que teve às frente o então recém-eleito presidente eleito do Bunkyo, Renato Ishikawa. O Jornal Nippak acompanhou visita com exclusividade (confira como foi no https://www.jnippak.com.br/amp/2019/em-sua-primeira-visita-tecnica-bunkyo-rural-conhece-a-trajetoria-de-sucesso-em-sao-gotardo/).
Uma das primeiras paradas foi para conhecer o trabalho da Coopadap (Cooperativa Agropecuária do Alto Paranaíba), presidida por Fábio Endo, um jovem de apenas 35 anos – uma outra característica marcante da região, isto é, a presença de jovens na gestão dos negócios das famílias.
Fundada em 1994 com o fim da CAC, a Coopadap atualmente é uma das maiores cooperativas de Minas e uma referência no cenário nacional.
Nelson Kamitsuji, membro da Comissão do Bunkyo Rural e que participou da seleção dos filhos dos associados, conta que São Gotardo foi precursor do desbravamento do Cerrado brasileiro. “A parceria com o governo japonês por intermédio da Jica – a Agência de Cooperação Internacional do Japão – e a entrada da Embrapa também foram muito importantes”, diz Celso Mizumoto, vice-presidente da Comissão do Bunkyo Rural.

Pesquisa – Segundo eles, a atuação do ex-ministro Alysson Paulinelli – então secretário de Agricultura de Minas Gerais no governo Rondon Pacheco – também foi fundamental na época. “Ele foi um grande incentivador quando a Cooperativa Agrícola de Cotia entrou em São Gotardo com os cooperados”, diz Kamitsuji, lembrando que entre as décadas de 60 e 70 o país não tinha mais fronteiras agrícolas para crescer e por isso era um importador de alimentos. Daí a importância ainda maior desta conquista.
No caso de São Gotardo, Celso Mizumoto e Nelson Kamitsuji explicam que pesquisa, desenvolvimento e técnica foram primordiais. “O grande impulso em termo de hortifrútis foi a implantação do sistema de irrigação”, diz Mizumoto.

Região é responsável por cerca de 25% da produção de cenouras (arquivo/Aldo Shiguti)

Selo– Em 2014, para dar mais visibilidade e proteger a qualidade dos produtos de São Gotardo, foi lançada a marca Região São Gotardo, gerida por um Conselho Regulador. Com apoio do Sebrae de Minas, a ideia de criar o selo da Região de São Gotardo é atestar a origem e o padrão de qualidade dos produtos da região, que abrange, além de São Gotardo, os municípios de Campos Alto, Ibiá e Rio Paranaíba que juntos formam uma área produtiva de 50 mil hectares.

Bunkyo Rural Live:
“São Gotardo, Cerrado Desbravado, Alimenta o Mundo”
Dia 30 de outubro,
sexta-feira, das 19h às 21h.
Transmissão pelo canal:
www.youtube.com/bunkyodigital

Comentários
Loading...