Bonsai: Imersão na técnica japonesa que torna possível o cultivo de árvores dentro de casa

Método consiste em criar uma planta adulta em uma bandeja e a partir dai controlar seu crescimento (divulgação)

O cultivo de plantas em residências tem se tornado uma das atividades mais prazerosas e relaxantes depois de um dia agitado. Dentre as mais cultivadas, o bonsai é a solução para quem quer uma árvore em casa, já que se trata da técnica milenar japonesa de miniaturizar árvores.
Esse método de plantio consiste em criar uma planta adulta em uma bandeja, de modo que seu crescimento seja controlado, unido à poda artística. Assim, além de possuir uma mini árvore, você terá em seu lar uma obra de arte que deve ser cuidada diariamente.
Por outro lado, se a sua ideia é presentear alguém com um bonsai, saiba que isso transmitirá prosperidade e longevidade, visto que é uma planta que tende a viver por vários anos, emitindo e dependendo de paz, equilíbrio, paciência e harmonia.
Apesar disso, independentemente do seu objetivo, tenha em mente que cuidar de uma planta é ser responsável por um ser vivo, esse que depende exclusivamente de quem a cultiva, portanto, não a esqueça ou deixe morrer. Com bons cuidados, crescerá linda e saudável, dando ao seu dono um ar mais úmido, limpo e tranquilo.

Apesar de a técnica ser japonesa, origem do bonsai foi na China (divulgação)

Origem do bonsai
Embora essa técnica seja intitulada japonesa, o bonsai teve sua origem como pun sai, na China, 700 a.C. Durante esse período, as plantas anãs eram cultivadas em vasos rasos e oferecidas como presentes de luxo.
Porém, no período Heian (794 – 1185), acredita-se que o pun sai chegou ao Japão por meio de monges Zen budistas que voltavam da China após adquirir novos aprendizados sobre o budismo Chan chinês, que influenciou em sua religião.
Com a imigração do pun sai para o Japão, os monges Zen viram nessa forma de plantio uma maneira de representar a natureza e aproximar o universo dos seres humanos. A partir de então, foram criadas as regras japonesas para o cuidado correto com as árvores em miniatura, de modo que crescessem de forma controlada, porém, mantendo sua naturalidade por meio de marcas e estruturas dos galhos que deviam acompanhar o efeito da gravidade e do tempo.
Assim, essas novas normas originaram um método que passou a se chamar bonsai. E eis que essa técnica logo se propagou entre militares e camponeses, se tornando popular em todo o país e uma novidade a diversos visitantes ocidentais, fascinados pela cultura oriental. Logo esse passatempo deixou de ser apenas uma nova atividade e começou a ser vista como uma obra de arte, sendo observada em diversas exposições e vitrines.

Bonsai é definição de uma técnica e não de uma planta em si (divulgação)

Tipos de bonsais mais populares
O bonsai é a definição de uma técnica e não uma planta em si, no entanto, cada método de cultivo, poda e arte determinam um tipo de árvore em miniatura, o que consequentemente divide esse plantio em categorias de acordo com sua forma e tamanho.
No quesito tamanho, você deve medir a altura da planta a partir do solo, ou seja, sem levar em conta a medida do vaso, até seu ponto mais alto.
Após essa medição você será capaz de descobrir se seu bonsai é um: Keshi Tsubu (mede até 2,5cm), Shito Bonsai (3cm a 7,5cm), Mames (8cm a 14,5cm), Shohin (15cm a 25cm), Kifu (25cm a 40cm), Chu (41cm a 60cm), Dai (61cm a 100cm) ou Bonju (maior que 100cm).
Essas medidas dependerão principalmente da profundidade do seu vaso, portanto pense bem ao escolher a bandeja para o cultivo.
Após a escolha da bandeja, é fundamental ter em mente a forma que mais lhe agrada, visto que a poda e os cuidados deverão ser tomados de acordo com essa definição.
Nessa classificação, é possível optar entre:

  • Fukinagashi: Conhecido como varrido pelo vento, o Fukinagashi deve ser plantado em um dos lados da bandeja, de modo que seus galhos e tronco se desenvolvam voltados para o outro, simbolizando a ação de um forte vento na árvore. Assim, essa deve ter uma inclinação de 30º ou 40º;
  • Kengai: Chamado também de cascata, o Kengai deve ser cultivado em vaso alto com suporte, já que sua característica básica é crescer para baixo, como uma árvore em um penhasco;
  • Han Kengai: Similar ao Kengai, o Han Kengai também segue o estilo cascata, mas com uma diferença: apenas um dos ramos cresce levemente inclinado para baixo, enquanto os outros buscam se desenvolver acima, sendo necessário um aso alto. Nessa situação, você vê a representação da resistência da árvore ao vento;
  • Moyogi: Reconhecido pelo seu dinamismo e movimento, o Moyogi apresenta um tronco em S, grosso na base e fino em seu ápice;
  • Shakan: Com seu tronco inclinado a 60º ou 80º, o Shakan representa a árvore que sofre a ação do vento ou busca pela claridade do sol, já que cresceu embaixo da sombra;
  • Chokkan: É o mais indicado aos principiantes, pois possui o corpo ereto formal, com galhos que crescem em suas laterais formando a imagem de uma flecha. Nesse caso, são utilizadas as plantas de grande porte;
  • Hokidachi: Traduzido para o português como vassoura, esse tipo de bonsai recebeu o nome Hokidachi por possuir um tronco reto com ramificações em seu topo. Esse estilo é ideal às árvores que perdem suas folhas no inverno, o que as faz parecer uma vassoura japonesa;
  • Yose ue: Comparado a uma floresta, o Yose ue possui diversas árvores: uma mais alta no centro da bandeja e outras menores e decrescentes ao redor, simulando uma floresta distante de um campo.

Conhecendo os tipos de bonsai, é perceptível a importância de cada detalhe e representação natural de cada planta.
Dessa forma, o cultivo pelo homem deve ser diário e preciso, ao mesmo tempo que aparenta ser uma árvore que se desenvolve sozinha.

Para começar o cultivo, você deve ter algumas ferramentas em mãos (divulgação)

Passo a passo para a miniaturização de árvores
Para começar com o cultivo do bonsai, você deve ter em mãos algumas ferramentas que possibilitem o bom desenvolvimento e crescimento planejado da planta, essas que são: planta ou pré-bonsai, vaso de cerâmica para bonsai, arame, tela de drenagem, substrato, tesoura para poda, hashi, raque, enraizador, água, bacia e borrifador.
Obtendo esses itens, siga com o passo a passo de como miniaturizar sua árvore:

  1. Em um vaso de cerâmica, cubra o fundo com a tela de drenagem para que assim a terra não caia pelos furos;
  2. Com um arame razoavelmente grande, forme um U e passe pelos buracos do vaso pelo lado de fora deixando as pontas no interior do recipiente;
  3. Insira o substrato no fundo do vaso;
  4. Pegando o vaso com o pré-bonsai, utilize a espátula do raque ao redor da terra para assim afrouxar e retirar com maior facilidade;
  5. Após retirar o pré-bonsai, comece a tirar cerca de 2/3 da terra com o raque, em seguida pode a raiz;
  6. Para acomodar no novo vaso de cerâmica, coloque a planta fazendo movimentos circulares, da esquerda para direita, para assim espalhar as raízes;
  7. Novamente, insira mais substrato até preencher todo o vaso e cobrir todas as raízes. Não deixe também de acomodar bem o substrato, tornando-o compacto, com a ajuda de um hashi;
  8. Com o arame em U, fixe o bonsai firmemente para uma boa recuperação das raízes. Nessa etapa você pode cortar o arame que restar;
  9. Em seguida, faça a mistura de 2 litros de água para uma tampa de enraizador na bacia, e mergulhe o vaso do bonsai por 15 minutos;
  10. Por fim, retire o bonsai da mistura enraizadora, deixe escorrer e borrife água nas folhas e galhos da planta.

Caso prefira cultivar o bonsai do zero, é possível plantar com sementes (método Misho), mudas (Yamadori) ou por meio de reprodução assexuada (Alporquia).
Esses passos para a criação do bonsai podem parecer difíceis e demorados, entretanto, são similares ao cultivo de qualquer outra planta, com a única diferença de que demandará mais da sua paciência e cuidado.
Contudo, seguindo minuciosamente cada etapa você verá o desenvolvimento de uma árvore saudável e próspera.

Os cuidados devem ser tomados de acordo com a escolha do tipo de planta (divulgação)

Cuidados básicos
Dentre os cuidados básicos com uma planta, estão o ato de regar na frequência correta, expor ao sol por um período do dia, remover as folhas danificadas e manter em um local com pouca corrente de ar. Assim deve ser feito também com o bonsai.
Para os iniciantes na arte da miniaturização de árvores, pode parecer uma tarefa difícil, que demanda tempo e esforço, porém, não é nada disso.
Basta seguir algumas regras simples corretamente e tudo dará certo.

  • Regue moderadamente: A rega do bonsai depende do clima, tipo de árvore, tamanho e solo. Apesar disso, você pode seguir a regra de regar quando o solo estiver seco, pois assim você evitará aguar em excesso — fator que costuma ser o grande causador das mortes de bonsais. Além disso, outra dica para tornar essa etapa mais simples é regar uma vez a cada 1 ou 2 dias, em climas amenos, no período da manhã ou final da tarde.
    Em climas secos e quentes, procure regar duas vezes por dia, ou seja, uma de manhã e outra no final da tarde, para que assim sua planta não morra desidratada;
  • Mantenha a planta no local adequado: Para um bom ambiente, a sua árvore necessitará de luz solar direta e poucas correntes de ar. Nessa questão da incidência de luz, você deve saber qual a quantidade correta para o seu tipo de planta, contudo, caso pareça difícil, analise as folhas do seu bonsai, já que quando falta luz tendem a ficar mais escuras, enquanto que quando há exposição de sol em excesso ficam amareladas.
  • Pode a cada 3 a 6 meses: Para podar, utilize seu olhar atento de artista, veja quais galhos cresceram mais do que desejava ou tomaram uma forma incorreta;
  • Adube o solo: Ou seja, ofereça nutrientes à sua planta. Esse passo deve ser feito no período de crescimento da árvore, quando essa se encontra em áreas externas, logo, o momento correto é entre a primavera e o outono. Entretanto, se a sua planta vive em um ambiente interno, essa pode ser adubada em qualquer período do ano;
  • Transplante o bonsai: De 3 a 5 anos, ou até mesmo a cada ano no início da primavera, dependendo da velocidade de crescimento das raízes do seu bonsai. Para saber se há necessidade ou não, retire cuidadosamente seu bonsai do vaso no início da primavera e verifique seu tamanho. O processo de transplante é similar ao passo a passo já ensinado anteriormente, portanto, não tenha medo, pois essa etapa será essencial para um bom crescimento e duração da sua planta.

Assim, embora pareça muito, se parar para refletir, você perceberá que o bonsai só precisa de quatro elementos vindos de quem o cultiva: rega correta, exposição ao sol, nutrientes e paciência.
Fatores comuns a qualquer outra planta que se cultive, então, não há o que temer, pois, além de enriquecer o seu ambiente, essa árvore só tende a trazer mais paz e equilíbrio à vida.
(Mariana Kisaki)

Comentários
Loading...