ARTIGO > Kim Kataguiri: O que passou e o que virá

*Kim Kataguiri

Ao final de 2019, poucos imaginavam o que estava por vir neste ano que passou. Enfrentamos uma pandemia de proporções nunca vistas pela nossa geração e que ainda nos aflige, assim como aflige milhares de famílias que perderam seus entes queridos em decorrência da doença causada pelo vírus da covid19.
Na economia, nosso país, que já não vinha bem, piorou. Aumento do desemprego e queda brutal da atividade econômica também foram consequências dessa pandemia que assolou o mundo todo.
Entretanto, ainda que tal evento tenha sido inesperado, é preciso que façamos um balanço sobre as medidas tomadas pelas autoridades no combate à pandemia. Refletir sobre a atitude dos nossos líderes e cobrá-los por isso é exercício fundamental dentro de uma democracia.
Infelizmente, as medidas tomadas pelo governo federal foram um amontoado de equívocos. No início, o governo aderiu ao negacionismo, não assumindo a seriedade que o momento exigia, tratando a doença como uma “gripezinha”. Ao longo do ano, buscou refúgio na panaceia do momento, o “emplastro Brás Cubas” do séc. XXI, a famigerada “cloroquina”, que não obteve comprovação científica de sua eficácia contra a doença e se tornou apenas fonte de gastos desnecessários para o erário. Por fim, agora vivemos o negacionismo em relação à vacina, que começou com um atraso por parte do Ministério da Saúde em apresentar um plano de vacinação nacional, passou por declarações do Presidente da República assumindo que não pretendia se vacinar, e finalmente tivemos a declaração do Ministro da saúde se perguntando em pronunciamento oficial o “por quê da pressa?”. Ora, será que mais de 180 mil famílias chorando a perda dos seus entes queridos já não seria motivo suficiente para tal pressa?
Dentro do parlamento medidas importantes de combate à pandemia, garantia de renda e manutenção da estabilidade fiscal foram tomadas. Em relação às duas últimas, cito, respectivamente, a elevação do valor auxílio emergencial para R$600,00 e a aprovação do chamado “orçamento de guerra”. Tenho muito orgulho que uma das medidas tomadas tenha sido de minha autoria: a lei que garantiu a validade de prescrições médicas para doenças crônicas durante a pandemia, evitando que portadores de doenças crônicas fossem obrigados a buscar novas receitas em consultórios médicos em um momento que o isolamento social se fazia tão necessário.
No ano que virá, precisaremos de muito empenho, não apenas dos nossos representantes, como da sociedade como um todo, para nos levantarmos desse duro momento pelo qual passamos. Dos representantes, será muito importante que reformas estruturantes sejam aprovadas para destravar o crescimento econômico e voltarmos as contas públicas para os trilhos, bem como um plano de vacinação nacional que garanta a imunização a todos brasileiros. Da sociedade, precisaremos que todos tenham consciência da importância da vacinação para darmos mais um passo na busca pelo fim da pandemia e de todo sofrimento por ela causado, para que todo esforço feito pelos nossos profissionais de saúde não tenha sido em vão, assim como também precisaremos dos nossos empreendedores e trabalhadores para a retomada econômica.
Creio que se eu pudesse resumir em uma palavra tudo que gostaria de dizer para a sociedade brasileira nesse momento em que buscamos iniciar um novo ciclo, com certeza seria “ganbatte” (頑張って).

“Precisamos que todos tenham consciência da vacinação” (deputados.democratas.org.br)

*Kim Kataguiri é deputado federal (DEM-SP)

Comentários
Loading...