Tooro Nagashi pode se tornar patrimônio imaterial; organizadores comemoram venda recorde de tooros

(Wagner Assanuma)

A 65ª do Tooro Nagashi de Registro contou com diferentes formalidades. Na sexta-feira, 1°, o cônsul geral do Japão em São Paulo, Yasushi Noguchi, antecipou a vinda e disse estar feliz em poder participar mais um ano das celebrações do Tooro Nagashi de Registro e afirmou que “o esforço em manter a cultura japonesa entre Brasil e Japão fortalece as relações bilaterais entre os dois países irmãos”. Noguchi, que no sábado, 2, esteve no Tooro Nagashi de Promissão (leia à página 3), destacou sua felicidade em ver tanta gente reunida para celebrar o Tooro Nagashi e parabenizou o Bunkyo de Registro pelo empenho em conservar uma das mais belas tradições japonesas, que é o respeito aos antepassados.

Myoho Ishimoto, do templo Nichiren Shu Emyoji (Wagner Assanuma)

No sábado, 2, Dia de Finados, após a tradicional purificação do Rio Ribeira de Iguape e do culto inter-religioso em oração aos antepassados, que celebrou a Paz Mundial e os 111 anos da Imigração Japonesa no Brasil, ritos conduzidos pela madre monja Myoho Ishimoto, do templo Nichiren Shu Emyoji, teve início à soltura de 1500 tooros oferecidos aos falecidos para que recebam a luz. As lanternas flutuantes coloriram e iluminaram o rio.
Na abertura oficial, os discursos destacaram a admiração, o respeito e o legado cultural deixado pelos imigrantes. Anfitrião, o prefeito Nilton Hirota declarou que “a igualdade, a fraternidade e a justiça começam aqui”. “A razão da nossa existência é graças aos nossos antepassados, hoje rezamos para que tenham luz e para que abençoem a nossa caminhada e, assim, devemos repensar a nossa existência humana”.
O deputado federal Samuel Moreira aproveitou o momento para pedir paz. “A paz mundial começa em cada um de nós. Ela começa por cada um de nós num tempo de tanta intolerância que a gente às vezes sequer respeita a opinião dos outros”.

Neste ano, segundo os organizadores, foram confeccionados cerca de 1500 tooros (Wagner Assanuma)

O mais bonito – Presente na cerimônia de abertura, o cônsul geral adjunto, Akira Kusunoki, disse que, na sua opinião, o Tooro Nagashi, “é o melhor evento da comunidade japonesa”. “Pode não ser o maior, mas é o mais bonito e mais solene”, explicou Kusunoki.
Já o deputado estadual Márcio Nakashima ficou encantado com a cerimônia. “O rio fica iluminado pelas velas e o céu, pelos fogos de artifício. É um espetáculo único. Parabéns ao Bunkyo de Registro e todos os seus parceiros pela emocionante homenagem aos nossos antepassados”, observou Nakashima.
Representando o governador João Doria, o secretário de Desenvolvimento Regional de São Paulo, Marcos Vinholli, disse que a festa “simboliza toda a cultura da imigração japonesa e toda força cultural do Vale do Ribeira”.

Márcio Nakashima com dirigentes locais

Patrimônio Imaterial – Além da celebração religiosa, música, dança e comidas típicas, oficinas culturais, show pirotécnico e soltura de 1500 tooros, o 65º Tooro Nagashi de Registro teve como ponto alto a histórica Assinatura do Protocolo de Intenções de reabertura do processo para que o Tooro Nagashi de Registro, pioneiro e maior evento do gênero, no Brasil, seja reconhecido como Patrimônio da Cultura Imaterial do país.
O reconhecimento foi solicitado pela Prefeitura de Registro em conjunto com o Bunkyo de Registro e, na ocasião, assinado pelo prefeito Nilton Hirota, pelo presidente do Bunkyo Irineu Makoto Kawajiri, pelo secretário municipal de Cultura, Turismo e Economia Criativa, Carlos Alberto Pereira Junior e pelo superintendente do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Ronaldo Ruiz.

Cosplay – No domingo, (3), a Secretaria Municipal de Cultura promoveu o Concurso de Cosplay. A classificação geral ficou assim: 1º lugar infantil, Aline Megumi; 1º adulto – Andressa Sanae Okuhara; 2º Anidy Barbara Doin e 3º Augusto Alvares Rocha. A premiação foi em dinheiro.

O tradicional bon odori (Wagner Assanuma)

Balanço – Ao Jornal Nippak, o presidente do Bunkyo de Registro, Irineu Makoto Kawajiri comemorou o sucesso do evento. “Este ano o tempo ajudou e tivemos mais público que no ano passado”, disse Makoto, que destacou também a venda recorde de tooros. Segundo ele, a média histórica era de 1200 tooros. “Este ano confeccionamos cerca de 1500 e quase todos foram vendidos”, disse, lembrando que também os hotéis da cidade ficaram lotados.

Sobre o pedido ao Iphan, Makoto explicou que, como não se trata de tombamento, mas de reconhecimento, pode ser que o processo não demore tanto. Para ele, o reconhecimento como Patrimônio Imaterial “aumenta nossa obrigação de continuar realizado a cerimônia para sempre”.
“E vai nos ajudar muito na captação de recursos pois já utilizamos o título de ‘Marco da Colonização’e o reconhecimento será um reforço ainda maior”, disse Makoto, que considera bem-vinda a iniciativa de Promissão de também realizar seu Tooro Nagashi. “Trata-se de uma tradição japonesa e quantos mais lugares realizarem, melhor”, afirmou Makoto, que destacou ainda a apresentação da cantora Karen Ito e do grupo de taiko Requios Gueinou Doukoukai e da oficina de shodô, uma novidade deste ano.
“Acredito que um evento como o Tooro Nagashi não pode ficar apenas no aspecto religioso. A parte cultural serve de complemento”, explica.
(Com Prefeitura Municipal de Registro)

Comentários
Loading...