Seletiva define equipe para o Mundial, Ricardo Aoyama e Sarah Gomes são destaque

Equipe Sudoeste sagrou-se campeã geral por contagem de pontos no masculino

O veterano Ricardo Aoyama mostrou que ainda tem muita lenha para queimar ao conquistar o título de campeão na ctagoria Adulto do 41º Campeonato Paulista Masculino de Sumô, competição realizada no último dia 24, no dohyo do Ginásio de Sumô do Complexo Esportivo e Cultural Brasil-Japão, no Bom Retiro, em São Paulo. Na final, Aoyama venceu Yoshihiro Higuchi (São Paulo), que em uma das semifinais derrotou o sempre favorito Rui de Sá , que apesar de ser do Paraná compete por São Paulo. Foi a primeira vez que a categoria Adulto foi disputada no Campeonato Paulista, que até então contava com disputas somente nas categorias Mirim, Infantil e Juvenil.

Sem competir oficialmente na categoria desde 2016 – quando disputou o Campeonato Brasileiro –Aoyama destacou o equilíbrio da competição. “Percebemos uma evolução muito grande do pessoal, principalmente dos lutadores mais jovens”, destacou Aoyama, que até então vinha competindo entre os veteranos.

O segredo para a longevidade no esporte, explica Aoyama, é manter um ritmo de treino regular, com exercícios leves alternando com cerca de 100 quilômetros de pedaladas. “Temos que estar preparados porque essa geração mais nova não respeita a idade”, brinca, destacando que no sumô não existe surpresas. “Toda luta é clássico”, conta.

Já no feminino Sarah Gomes ficou com  o título ao vencer a experiente Luciana Watanabe, que voltou a competir depois de um ano e sete meses – período em que deu a luz à pequena Valentina Aya Higuchi, hoje com sete meses e batizada durante o Campeonato Paulista em uma bonita cerimônia conduzida pelo irmão de Takahiro, Yoshihiro Higuchi.

Campeã Brasileira e Paulista em 2018 e vice-campeã Sul-Americana em 2016, Sarah disse que, mesmo sem ritmo de luta, Luciana Watanabe foi um páreo duro. “A Luciana é muito maleável e experiente. Tem que ter muitya paciência para lutar com ela”, disse Sarah.

Na contagem geral de pontos, a equipe da Nova Central ficou em primeiro no feminino, com 86 pontos, contra 83 da segunda colocacada, a equipe da Sudoeste. No masculino, os papéis se inveteram. Mais  uma vez deu Sudoeste, que ficou em primeiro com 75 pontos contra 46 da vice-campeã, a equipe da Nova Central.

 

Seletiva – O Campeonato Paulista contou com a participação de cerca de 150 atletas entre homens e mulheres.  Do total, entre 25 e 30 atletas eram alunos de Felipe Ishimaru, que desenvolve um trabalho em parceria com a Prefeitura de Jandira. Professor concursado, Ishimaru já dava aulas de judô quando decidiu implantar o sumô como atividade, há cerca de 4 anos.

Convidou alguns alunos que já faziam judô para experimentarem o novo esporte. “Eles não só gostaram como também se identificaram com o sumô”, conta Ishimaru, afirmando que, desde então, o número de prarticantes em Jandira só vem auimentando.

No sábado, o destaque ficou por conta da realização da Seletiva para o Campeonato Mundial, que este ano será realizado em outubro, no Havai. A equipe feminina foi definida com base nos resultados do Campeonato Brasileiro do ano passado. Assim, estão classificadas: Valéria Dall’Olio (Adulto Peso Leve), Camila Fukushima Adulto Peso Médio), Fernanda Rojas (Adulto Médio-Pesado), Ana Cláudia de Souza (Adulto Peso Pesado), Maria Eduarda (Junior Peso Leve), Letícia Clemente (Júnior Peso Médio), Giovana Noenata (Júnior Peso Pesado) e Corina Eshley (Júnior Peso Absoluto).

No sábado, carimbaram o passaporte: Tetsushi Nakaya (Adulto Peso Leve), Gustavo Rocha (Adulto Peso Médio), Thiago Ciavarella (Adulto Peso Médio-Pesado), Rui de Sá Junior (Adulto Peso Pesado), Vitor Camargo (Adulto Peso Absoluto), João Vitor dos Santos (Júnior/Peso Leve), Guilherme Fukushima (Júnior/Peso Médio), João Villalba (Júnior/Peso Pesado) e Gabriel Agrella (Júnior/Absoluto).

 

Esforço – Rui, que no ano passado abriu mão da vaga em função da dificuldade de obter recursos para a viagem, afirmou que este ano pretende fazer um esforço para tentar ir. Por enquanto, disse que sua prioridade é conseguir o visto americano. “Essa é a preocupção imediata porque visto americano não é tão simples, mas é uma dificuldade que será igual para todos”, afirmou Rui, acrescentando que ainda não pensou como irá arrecadar os cerca de R$ 10  mil – estimativas – necessários para as passagens e outras despesas durante o Mundial.

Segundo o presidente da CBS, Morio Tsuchiya, que assumiu recentemente a Presidência, a entidade banca a estadia nos dias da competição e o valor da inscrição. O restante fica por conta dos atletas. Para tentar amenizar as despesas, a entidade vai leiloar dois quadros doados pelo artista plástico Yutaka Toyota no valor de R$ 3 mil cada um.

“No meu caso fica ainda mais complicado porque venho treinar em São Paulo. O ideal seria treinar pelo menos duas vezes por mês”, disse Rui.

(Leia mais à página 12)

(Aldo Shiguti)

Comentários
Loading...