SÃO PAULO: ‘Parecia ser uma ideia maluca’, diz vereador Aurélio Nomura sobre criação do Parque Augusta

(Divulgação)
(Divulgação)

A Prefeitura de São Paulo e duas grandes construtoras assinaram no últio dia 6 a transferência definitiva do Parque Augusta para a municipalidade, em cerimônia no próprio local com a presença do prefeito Bruno Covas, do dr. Silvio Marques, promotor de Justiça do Patrimônio Público e Social do Ministério Público do Estado de São Paulo e do vereador Aurélio Nomura, autor da Lei (15.941/13) que criou o espaço público, em coautoria com o vereador Juscelino Gadelha.
O termo garante integralmente o texto sancionado em dezembro de 2013, que determina a preservação do parque em 100% da área, e a preservação de uma das últimas áreas verdes de São Paulo, com remanescentes da Mata Atlântica, localizada nas confluências das ruas Augusta, Caio Prado e Marquês de Paranaguá.
O documento efetiva as tratativas feitas entre a Prefeitura de São Paulo, o Ministério Público e as duas construtoras anunciadas em agosto de 2018. Os termos da negociação estabelecem a transferência do terreno por doação ao município em troca de quatro outras áreas para as construtoras.
A Prefeitura receberá, ainda, R$ 88 milhões que foram pagos pelos bancos estrangeiros que movimentaram recursos desviados de obras públicas durante a gestão de Paulo Maluf. As instituições financeiras internacionais não participaram das operações ilícitas, mas receberam valores subtraídos dos cofres públicos por Maluf para a construção da Avenida Águas Espraiadas (atual Roberto Marinho) e do Túnel Ayrton Senna, entre os anos de 1993 e 1996.
Esse dinheiro (R$ 88 milhões) que seria usado para compra do parque por determinação do Ministério Público de SP agora será destinado para construção de creches, CEUs e EMEIs.

“Graças aos esforços de todos conseguimos aprovar o projeto na Câmara Municipal”, diz Nomura (Divulgação)
“Graças aos esforços de todos conseguimos aprovar o projeto na Câmara Municipal”, diz Nomura (Divulgação)

Importância – Por mais de 10 anos o vereador Aurélio Nomura trabalhou pela criação do parque na totalidade da área. Durante a cerimônia de transferência, o parlamentar lembrou que, em 2006, quando apresentou o projeto de Lei, “parecia ser uma ideia maluca a proposta de um parque dentro da cidade de São Paulo”. “Tivemos muitas dificuldades, mas graças aos esforços de todos conseguimos aprovar o projeto na Câmara Municipal. E, por sua importância para a cidade de São Paulo e para a preservação das poucas áreas verdes que ainda restam na cidade, ganhou a coautoria de mais nove vereadores, sendo aprovado por unanimidade pela Câmara, e hoje comemoramos a assinatura do termo de transferência do parque para a cidade”, destacou o vereador.
“Agora, com a escritura, fica assegurada para a população essa área de lazer onde poderão ser realizadas ações relacionadas à prática de atividades físicas, educação ambiental e a preservação da memória paulistana, como determina a Lei”, comemora o vereador Aurélio Nomura.
De acordo com o prefeito Bruno Covas, “o Parque Augusta integrará uma série de propostas de revitalização da região central, que inclui também o Parque Minhocão, o Vale do Anhangabaú, o PIU Setor Central e a área dos calçadões do triângulo histórico”, formado pelas Ruas São Bento, 15 de Novembro e Rua Direita.
O parque passará por uma série de melhorias que incluem, entre outras, instalação de 19 lixeiras e oito bebedouros (incluindo para cães), três bicicletários e sanitários públicos. Estão previstos, ainda, uma área com espreguiçadeiras e um redário, um cachorródromo (de 450 metros quadrados), área com equipamentos de ginástica para terceira idade e um playground, com brinquedos inclusivos.
As construtoras pagarão para a Prefeitura R$ 9,85 milhões, dos quais R$ 6,2 milhões serão quitados por meio dos serviços de implantação do projeto do parque, restauração da portaria e da edificação do antigo Colégio Des Oiseaux, que fica dentro do terreno, e a construção do Boulevard Gravataí, que ligará o parque à Praça Roosevelt. Parte do dinheiro também será usada para a manutenção do local por dois anos.
Outros R$ 2 milhões serão empregados na manutenção do Parque Augusta por dois anos, enquanto o restante será repassado para a construção de um Centro de Convivência Intergeracional e na reforma de uma Instituição de Longa Permanência para Idosos.

Comentários
Loading...