Piapara

Leporinus obtusidens

Distribuição Geográfica: Bacia do Prata. Na bacia do São Francisco ocorre o Leporinus elongatus também conhecido como piapara.
Descrição: peixe de escamas; corpo alongado, um pouco alto e fusiforme; boca terminal. Coloração prateada, com o dorso castanho escuro e o abdome amarelado. Apresenta três manchas pretas nas laterais do corpo, e nadadeiras amareladas.
A piapara alcança em média 40cm de comprimento total e 1,5kg, sendo que os indivíduos maiores chegam a 80cm e 6kg. Esta espécie pertence à família Anostomidae, que possui uma grande diversidade de gêneros e espécies com representantes em todas as bacias hidrográficas brasileiras, conhecidos como aracus (bacia amazônica), piaus (bacia Araguaia-Tocantins, Paraná e São Francisco), piavuçu, piava etc. A diferença de L. elongatus da bacia do São Francisco é a posição da boca, que é sub inferior.
Ecologia: é uma espécie bastante comum na bacia do Prata. Vive nos rios, em poços profundos e nas margens, na boca de lagoas e corixos. Espécie onívora, alimenta-se de vegetais e insetos adultos, larvas sendo que algumas espécies se alimentam exclusivamente de algas filamentosas, raízes de gramíneas ou de frutos/sementes pequenos. Realiza migração reprodutiva.
Equipamentos para sua captura: vara de bambu, nas pescarias de barranco; e vara de ação média e carretilha/molinete para a pesca embarcada. As linhas mais utilizadas são de 12 a 14 libras, preparadas com chumbadinha leve e solta na linha, com anzol pequeno.
Iscas: a espécie é capturada exclusivamente com iscas naturais como, por exemplo, milho verde ou azedo, bolinhas de massa, caramujo etc. Se for pescar com varinha de mão (telescópica ou a caipira) uma sugestão de isca é usar farinha de trigo e água, misturar até o ponto de poder fazer fios e com a ajuda de um espeto de bambu (destes para churrascos), enrolar os mesmos no anzol. A água deve ser adicionada aos poucos para se chegar até este o ponto.
A maior piapara já pescada, segundo a IGFA, pesou 7,26kg, foi capturada em 2013 no Rio Uruguai, na Argentina, pelo pescador Ray Snyder.
Dicas: para se ter sucesso na pesca da piapara, é recomendável alguma experiência. O peixe costuma pegar a isca com suavidade e acomodá-la na boca antes de correr. Se o pescador se afobar, vai perdê-la. O ideal é fazer uma ceva com milho ou massa de farinha para reunir os peixes no local onde se pretende pescar.
Na pesca embarcada, o uso de um canhão (carregado com a ceva anotada anteriormente) é muito útil para manter os peixes nas proximidades.
Costuma ficar em cardumes, para se defender dos predadores, e depois de fisgada é certeza de violentas arrancadas, nadando velozmente de um lado a outro embaixo dágua, fazendo a linha cantar literalmente. É preciso muita calma para controlar estas corridas até o peixe cansar e ter o momento certo para embarcar.
Fonte: IBAMA (www.ibama.gov.br)

 

Comentários
Loading...