O lado afetivo das árvores

(Divulgação)

*Gueji Yamazoe

Foi num sábado, esteve no Parque Estadual Alberto Lofgren (Horto Florestal), uma comitiva formada por Etsuko Shimomoto, Marta Keiko Yamamoto, Norma Egawa e Francisco Yamamoto, para visitar o Bosque da Amizade São Paulo-Tottori. Eles foram recebidos por Guenji Yamazoe e Antônio Celso Martins de Melo, respectivamente Coordenador e Responsável pela manutenção do Bosque. Localizadas as árvores que eles haviam plantado há sete anos, um exemplar de cada de peroba rosa, pata de vaca, tamboril e alfarobo, todas nativas, ficaram admirados pelo crescimento. A seguir, numa singela cerimônia mas muito significativa, espalharam as cinzas dos avôs e pais que haviam trazido, junto ao pé das árvores.
O Bosque da Amizade São Paulo-Tottori foi instalado em 2012, para comemorar os 60 anos de fundação da Associação Cultural Tottori-Kenjin do Brasil, que congrega os imigrantes procedentes da Província de Tottori e seus descendentes. O casal Tomozo e Matsu Kato, representado pelos visitantes, emigrou daquela Província, na década de 1920, trazendo dois filhos e aqui tiveram mais quatro filhas. Todos os visitantes ficaram muito gratos ao Instituto Florestal pela boa manutenção dispensada ao Bosque e fizeram votos para que as árvores cresçam ainda mais saudáveis, agora com as cinzas dos seus antepassados.
A implantação desse Bosque foi possível graças à compreensão do então Diretor Geral Miguel Luiz Menezes Freitas, que disponibilizou áreas nobres junto à sede do Instituto, onde abrigam hoje 408 árvores de 80 espécies nativas, a maioria da Mata Atlântica. A sua posterior manutenção deve-se à dedicação do atual Diretor Geral Luís Alberto Bucci. A sua instalação foi custeada pelos doadores da Província de Tottori, dos imigrantes dessa Província e seus descendentes dai o mote “Símbolo do esforço conjunto dos povos para a conservação da Mata Atlântica” adotado ao Bosque. Com a cerimônia de lançamento das cinzas, o Bosque da Amizade São Paulo-Tottori ganha agora outra dimensão, com caráter afetivo, além do ecológico e histórico.

* Guenji Yamazoe
Pesquisador científico aposentado do Instituto Florestal (IF), Guenji Yamazoe foi presidente da Associação dos Bolsistas Jica – Abjica (2010-2014), da Comissão do Prêmio Kiyoshi Yamamoto (2013-2017) e da Associação Cultural Tottori Kenjin do Brasil desde 2017.

Comentários
Loading...