NIPPAK RURAL: Campo conectado

Meta é disponibilizar tecnologia 4G para 5 milhões de hectares até o final deste ano (divulgação)

Empresas se unem para levar conexão de internet aos rincões do país

Em julho desse ano, eu parti em uma viagem de carro de São Paulo até o estado do Piauí, no Nordeste, passando pelos estados de Minas Gerais, Goiás, Bahia até chegar ao meu destino, no sul do Estado, próximo ao parque da Serra da Capivara. Mas uma das coisas mais marcantes que eu descobri nessa jornada é que é ao sair de Goiás, o sinal de internet na estrada é praticamente uma loteria. Em alguns pontos ele existe, mas em geral você fica totalmente e sem sinal, sem conexão, isolado do mundo e, o que é pior, sob risco real de segurança – fora as lindas paisagens de lavouras de algodão, cruzamos com diversos acidentes nas estradas e focos de incêndio junto às pistas em muitos pontos.

Por esse motivo, o Conectar Agro, uma iniciativa que reúne diversas empresas do setor de telecomunicações, equipamentos e serviços – AGCO, Bayer, CNH Industrial, Jacto, Nokia, Solinftec, TIM e Trimble – deve ser uma contribuição importante para reduzir esse problema. Lançado oficialmente na Agrishow deste ano – maior feira agropecuária do país, o grupo formalizou-se como entidade sem fins lucrativos e pretende promover a conectividade de sistemas e equipamentos usados no campo via tecnologia 4G além de promover aplicação de sistema abertos – o que em tese democratiza o uso de sistemas tecnológicos para os produtores que não ficam reféns de um só sistema, ou fornecedor de serviços.
A meta do grupo é de que, até o final deste ano, a tecnologia 4G esteja disponível para 5 milhões de hectares – desse total um milhão de hectares refere-se a pequenos produtores. A meta é ambiciosa e o tempo parece curto, mas estamos falando de agricultura 4.0. Renato Bueno, diretor de marketing da Nokia Brasil, empresa de telecomunicações, destaca que já há uma lista de mais de 20 interessados em entrar no Conectar Agro, uma vez que apenas de 7% a 8% do público rural consegue se conectar ao 4G. “A absorção dessa tecnologia requer o rompimento de barreiras para que mais pessoas do campo acessem a internet”, enfatiza.
As cooperativas agrícolas atuarão como facilitadoras do sistema junto ao pequeno e médio produtor. “Muitas vezes, o grande agricultor consegue investir sozinho, o que não é a realidade das pequenas propriedades. Por isso, a cooperativa fará esse papel de agregar vários produtores e dividir os custos e a cobertura da antena instalada”, diz Renato Coutinho, especialista de telecom na CNH Industrial, fabricante de equipamentos agrícolas. Segundo ele, o investimento para implementar a infraestrutura do 4G nas fazendas hoje é de “meia saca por hectare”.

Interconexão de sistemas e de empresas

Para Cristiano Pontelli, gerente de negócios Otmis, marca da Jacto, fabricante de máquinas agrícolas e sistemas para agricultura de precisão, o grande diferencial do grupo é a adoção das tecnologias abertas e desenvolvimento das tecnologias embarcadas nos equipamentos agrícolas.
“Esse conceito é o diferencial do ConectarAgro em relação às demais soluções do mercado, que atualmente são fechadas, limitadas e trazem maior insegurança ao cliente final, dificultando sua adoção”, destaca.
O conceito de solução aberta garante maior segurança e estimula o agricultor a adquirir equipamentos com tecnologia embarcada, que permite monitoramento remoto. “Esse é o caso da solução OtmisNET que tem o diferencial de ser multimarcas, podendo ser usada para plantio, pulverização, adubação, colheita e preparo do solo, independente do fabricante da máquina. Assim, o produtor rural ou o gestor agrícola acompanha em tempo real todo o processo produtivo e a solução, com o suporte da conectividade, permite a identificação e intervenção de forma ágil no momento em que as falhas estão acontecendo”, explica Pontelli.
Para a CNH Industrial, o sistema viabilizará, além das máquinas novas, a conexão de toda a frota da fazenda reunindo equipamentos, pessoas e outros dispositivos abaixo de um sistema único. “Dessa forma, o ConectarAGRO será peça importante para o agronegócio brasileiro aumentar ainda mais a sua produtividade e competitividade no cenário internacional”, enfatiza Gregory Riordan, diretor de Tecnologias Digitais da CNH Industrial para América do Sul. Além das máquinas agrícolas da Case IH e da New Holland Agriculture, equipamentos de construção da CASE Construction Equipment e da New Holland Contruction, além dos veículos comerciais da IVECO se beneficiarão diretamente da iniciativa.
Cada empresa que integra essa iniciativa contribuirá com suas expertises e experiências de mercado para ajudar a criar um ecossistema favorável e melhorar ou desenvolver as condições para a conectividade no campo no âmbito do Conectar Agro, mas não haverá desenvolvimento, produção ou comercialização conjunta de equipamentos, produtos ou serviços no mercado pelas empresas, que continuarão a atuar de forma independente, sem qualquer combinação de atividades econômicas e sem o compartilhamento de riscos e resultados.

Mariuza Rodrigues. E-mail: mariuzarodrigues2020@outlook.com.br

Comentários
Loading...