Homenagens e agradecimentos marcam os 60 anos da Enkyo na Câmara Municipal de SP

Akeo, Nomura, Renato Ishikawa e Susumu Akiyama (sentados) com convidados e parceiros (Jiro Mochizuki)

Com a presença do presidente e vice-presidente da The Japan International Cooperation Foundation, respectivamente, Sussumu Akiyama e Teruaki Watanabe, a Câmara Muncipal de São Paulo realizou, no dia 12 de agosto, no Salão Nobre, Sessão Solene em Comemoração aos 60 Anos de Fundação da Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo – Enkyo.
Convocada pelo vereador Aurélio Nomura, a cerimônia contou também com a participação do presidente do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), Renato Ishikawa; do representante chefe do Escritório da Jica em São Paulo, Hiroshi Sato; do diretor do Bradesco, Milton Matsumoto e do executivo da Honda, Euclides Araújo, além do prefeito de Suzano, Rodrigo Ashiuchi, médicos, conselheiros, diretores, colaboradores e funcionários da Enkyo.

Na ocasião, o vereador Aurélio Nomura homenageou a instituição com uma placa de Honra ao Mérito pelos 60 Anos de Fundação e foram entregues Placas de Gratidão a Sussumu Akiyama e Teruaki Watanabe.
A Enkyo também homenageou o Representante Chefe do Escritório da Jica no Brasil, Hiroshi Sato; os diretores e membros do Conselho Deliberativo da Enkyo com mais de 20 anos na função (Hideyo Kato, Saburo Sakawa, Sadao Onishi, Seichisti Saita, Yoshiharu Kikuchi e Yuso Tsuji); o diretor e atuais presidentes de Comissão Administrativa de Unidades da Enkyo (Atsuo Suzuki, Helio Keichi Mori, Kenji Inoue, Makoto Yasutake, Mario Toda, Sergio Norifumi Doi e Takatsugu Fujimura); aos Conselheiros Regionais em reconhecimento pelos trabalhos voluntários dedicados por mais de 30 anos (Hakuo Tamada, Makoto Sasaki, Massaho Mori, Miyuki Fujishima, Sadanori Dan, Shigueru Yoshida, Shigueyuki Morinishi, Takio Otaki, Tsuneo Yamamoto e Yoshitaka Kato); aos médicos Carlos Yuzo Yajima e Toshimi Minami (em reconhecimento pelos serviços médicos prestados durante 44 anos, sendo os médicos mais antigos da Enkyo); ao funcionário mais antigo em atividade (Emílio Obata); a Shunichi Uchimura (em reconhecimento pelos desprendimento e apoio aos projetos sociais da instituição); e às empresas parceiras Bradesco e Honda em reconhecimento pelo apoio aos projetos sociais da Enkyo.

Akeo Yogui (Jiro Mochizuki)

Valores – Abrindo a série de discursos, o presidente da Enkyo, Akeo Yogui, contou a história da entidade, fundada no dia 28 de janeiro de 1959 com a denominação de Associação de Assistência aos Imigrantes Japoneses por um grupo de apenas 32 pessoas da comunidade japonesa com a finalidade de prestar serviços assistenciais aos imigrantes japoneses no pós-guerra, auxiliando no seu desembarque e oferecendo um local de descanso aos mais fragilizados pela longa viagem. Em 1972, lembrou Yogui, o nome foi mudado para Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo (Enkyo), como é conhecido atualmente.
“Nesses 60 anos, acompanhando as necessidades da comunidade, a Enkyo foi agregando novos serviços. Graças ao apoio dos poderes públicos japonês e brasileiro, assim como de empresas e da população japonesa e brasileira e do trabalho de muitos voluntários e colaboradores, a Enkyo cresceu e se fortaleceu, razão pela qual aproveito esta oportunidade para manifestar a nossa gratidão e o nosso reconhecimento”, destacou Yogui, acrescentando que atualmente a instituição oferece serviços em duas áreas.
Na área de Saúde, conta com o Centro Médico Liberdade; o Hospital Nipo-Brasileiro no Parque Novo Mundo; o Hospital Nipo-Brasileiro de São Miguel Arcanjo; o Ambulatório Móvel; a Unidade Comunitária e o Projeto de Integração Pró-Autista (Pipa). E na área de Assistência Social, conta com o Centro Comunitário na Rua Fagundes; a Casa de Repouso Santos Kossei Home; a Casa de Repouso Akebono Home; a Casa de Repouso Ipelândia Home, a Casa de Repouso Sakura Home, em Campos do Jordão; o Centro de Convivência de Idosos e Centro de Ação Social – Unidade Amami.

Alicerce – “Em todas essas unidades trabalhamos alicerçados em valores formados pelo respeito, integridade e pela ética”, disse Yogui, que relembrou o esforço e dedicação das diferentes gerações de diretores, conselheiros, colaboradores, voluntários e associados, que ao longo dessas seis décadas ajudaram e trabalharam para a consolidação da ertidade.
Yogui explicou ainda que atualmente a Enkyo investe em novos equipamentos, em recursos humanos e na ampliação de espaços fisicos visando sempre oferecer serviço médico e assitencial de qualidade, “prestando, acima de tudo, atendimento humanitário com respeito, ética e dignidade a todos que nos procuram”.
Para finalizar, lembrou que desde 2013 a Enkyo tem a mais alta certificação conferida pela Organização Nacional de Creditação (ONA), o nível 3, e na constante busca pela excelência de seus serviços, o Hospital Nipo-Brasileiro trabalha desde 2018 para alcançar a creditação internacional Qmentum, de origem canadense.

Desafios – Atentos aos novos desafios – como a entrada de capital estrangeiro na aquisição de hospitais – a Enkyo trabalha projetando a ampliação de suas instalações. “Mesmo num cenário de incertezas, com persistentes crises políticas e econômicas”, ressaltou Yogui, afirmando seu “otimismo”. “Acreditamos que, com o apoio de todos e o trabalho em conjunto, nós podemos continuar escrevendo a vitoriosa história do Enkyo para os próximos 60, 100 anos”.

Susumu Akiyama (Jiro Mochizuki)

O presidente da The Japan International Cooperation Foundation, Susumu Akiyama, disse que a história da Beneficência Nipo-Brasileira de São Paulo “é também a história dos imigrantes japoneses no Brasil” e reiterou sua gratidão a todos aqueles que se dedicaram “com entusiuasmo em administrar esta entidade”. “Imagino que as dificuldades enfrentadas sejam deveras inexprimíveis”, falou, lembrando que a relação da Enkyo com o saudoso Ryoichi Jinnai, ex-presidente da associação, remonta em 1987, “quando foi publicado no jornal Asahi um artigo sobre um desejo de imigrantes japoneses no Brasil em revisitar sua terra natal”.

“Dotado de um grande espírito explorador, nosso finado presidente Ryoichi Jinnai quando pequeno sonhava imigrar para o Brasil. Entretanto, seu sonho acabou por não realizar, mas esta aspiração pelo Brasil fez com que fortes laços o conectassem a este país. Ao ler o artigo, o presidente Jiinai começou a imaginar como teria sido sua vida se, quando jovem, tivesse realizado seu sonho e vindo ao Brasil… Talvez tivesse enfrentado muitas dificuldades e ele não teria se tornado o que era então”, observou Susumu Akiyama, afirmando que, quando se imaginou no lugar dos imigrantes idosos, que sem escolhas viveram uma vida desafortunada num país longinquo e estranho, tendo passado por dificuldades e sofrimentos inimagináveis e estando no Japão, sentiu-se fortemente impulsionado a ajudar estas pessoas.

Aurélio Nomura homenageia o presidente do Enkyo, Akeo Yogui (Jiro Mochizuki)

Responsabilidade – “E assim, no ano seguinte, em 1988, visitou o Brasil pela primeira vez, iniciando sua ajuda. Curiosamente, mesmo ano em que foi fundado o Hospital Nipo-Brasileiro”, contou Akiyama, destacando que, nesses 30 anos, o HNB tornou-se um dos hospitais mais proeminentes do país, “avaliado como de alta qualidade não só pela comunidade nikkei, mas também pela população em geral”.
Para ele, apesar da trajetória vitoriosa, alguns problemas e questões futuros estão “por ora ocultos”. “Não tenho como proferir meios de solução, mas nesses 111 anos de integração, os nikkeis com sua diligência e senso de união, superaram todas e quaisquer dificuldades. É de extrema importância que desde já, possam concentrar a sabedoria de todos para estarem preparados para enfrentar quaisquer situações críticas que possam surgir, indentificar com correção enquanto se encontram em situação tranquila para que se possa legar o que construiu, passando o bastão íntegro às futuras gerações”, disse ele, explicando que “acredito que esta seja uma responsabilidade desta nossa geração”.
E finalizou lamentando o fato de Ryoichi Jiinai ter falecido em 2017, “mas que certamente estará se alegrando e tranquilo lá no céu sabendo que a comunidade nikkei do Brasil, terra esta que vislumbrou, torne-se cada vez mais próspera e possa proporcionar um lugar onde os idosos possam viver com tranquidade”.

Aurélio Nomura (Jiro Mochizuki)

Conquistas – Proponente da homenagem, Aurélio Nomura destacou as “inúmeras conquistas da Enkyo nesses últimos 60 anos, uma entidade que segue o conceito de que o paciente é o centro do atendimento”. “Seguindo essa diretriz, o Hospital Nipo-Brasileiro implantou o Programa de Creditação ONA 3, nível máximo em excelência e caminha para o processo de creditação internacional. Além disso, o hospital foi classificado, em 2017, entre as 1.000 maiores empresas do Brasil e a segunda maior instituição do setor de serviços médicos do país”, disse o vereador, lembrando que a Beneficência Nipo-Brasileira “nasceu de uma pequena associação voltada para atender os imigrantes japoneses e hoje, como se pode constatar, a Enkyo não se limita mais à comunidade, mas é uma instituição ampla que presta importantes serviços à população brasileira em geral, com um grande papel social e assistencial para todos”.
“Tenho certeza que a dedicação da diretoria, do corpo clínico, dos funcionários, aliado à fundamental colaboração dos associados e dos voluntários assentou as bases sólidas nestes 60 anos e vão sustentar os trabalhos e os objetivos do Enkyo por muitas e muitas décadas”, assegurou o parlamentar.

Comentários
Loading...