Comissão de Administração do MHIJB reinaugura 7º andar com novos equipamentos e nova sala

(Jiro Mochizuki)
(Jiro Mochizuki)

Em cerimônia realizada no dia 30 de abril – dia em que o Japão e a comunidade nipo-brasileira viveram um dia histórico com a abdicação de Akihito ao trono – a Comissão de Administração do Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil reinaugurou o 7° andar, com novos equipamentos e uma nova sala e a exposição de fotos das três visitas realizadas ao Brasil pelo Imperador emérito Akihito e pela imperatriz emérita Michiko.

O secretário de Relações Internacionais, Luiz Álvaro (Aldo Shiguti)
O secretário de Relações Internacionais, Luiz Álvaro (Aldo Shiguti)

O evento contou com a presença do secretário municipal de Relações Internacionais da Prefeitura da Cidade de São Paulo, Luiz Álvaro, que, acompanhado pelo recém-eleito presidente do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), Renato Ishikawa, e pelo cônsul geral adjunto do Consulado Geral do Japão em São Paulo, Akira Kusunoki, conheceu um pouco mais a trajetória dos imigrantes no Brasil e também como era o Japão na época da imigração, em 1908, espaço criado atendendo a inúmeros pedidos dos visitantes.
Desta forma, o secretário já viaja – ele embarca neste sábado (18) para o Japão – devidamente “municiado” de informações sobre a comunidade japonesa no Brasil. No Japão, Luiz Álvaro participará do Encontro das Cidades do G-20, em Tóquio. Ele também pretende aproveitar a estadia em solo japonês para convidar o prefeito de Osaka para visitar a capital paulista no final deste ano, quando deve acontecer uma celebração pelos 50 anos do tratado de irmandade entre as duas cidades.
Também estiveram presentes na cerimônia Roberto Nishio e Lídia Yamashita, respectivamente, presidente e vice da Comissão de Administração do MHIJB, a ex-presidente do Bunkyo, Harumi Goya, a cônsul geral do Japão em Manaus, Hitomi Sekiguchi e o vereador Aurélio Nomura, além de patrocinadores.

Nishio, Lídia Yamashita, Renato Ishikawa, cônsul Kusunoki, Celso Simomura, Luiz Álvaro e Shimomoto (Aldo Shiguti)
Nishio, Lídia Yamashita, Renato Ishikawa, cônsul Kusunoki, Celso Simomura, Luiz Álvaro e Shimomoto (Aldo Shiguti)

Legado – Renato Ishikawa lembrou que o evento de reinauguração em comemoração aos 30 anos da era Heisei e em gratidão aos imperador que inaugurou o museu em 1978, era o seu primeiro ato como presidente do Bunkyo, que vem administrando o museu por 40 anos. “Estou encantado e admirado pela grande participação e colaboração de importantes empresas japonesas e brasileiras para executar esta modernização do museu, que conta a história dos japoneses no Brasil”, destacou, acrescentando que “só tenho a agradecer todos que se uniram neste esforço coletivo para deixarmos um legado para as futuras gerações, pois sem a ajuda e colaboração de todas as empresas, este magnífico trabalho de modernização do museu não teria sido realizadso, principalmente por causa da situação econômica do Brasil nos últimos anos”. E concluiu sua fala com um agradecimento especial aos muitos voluntários que tem ajudado o museu ao longo de todos esses anos, muitos, inclusive, colaborando há mais de 10 anos, num trabalho dedicado e discreto, guiado apenas por idealismo e reverência aos antepassados”.

Exposição de Fotos deve prosseguir até agosto no 9º andar (Aldo Shiguti)
Exposição de Fotos deve prosseguir até agosto no 9º andar (Aldo Shiguti)

Ex-presidente do Bunkyo e em cuja gestão tiveram início as obras no museu, Harumi Goya, explicou que “o momento da comemoração dos 110 anos da imigração japonesa no Brasil motivou as empresas a patrocinar um amplo processo de revitalização do espaço expositivo do MHIJB, reconhecido como um dos mais importantes sobre o tema da imigração japonesa, e cuja inauguração remonta o longínquo anos de 1978”.
E recorreu “às sempre sábias palavras” de Nishio, para destacar o significado deste legado dos 110 anos: “Graças às reformas, ganhou novos conteúdos, modernidade e beleza, sem perder a sua finalidade histórica”.

Celso Simomura, vice-presidente da Toyota (Aldo Shiguti)
Celso Simomura, vice-presidente da Toyota (Aldo Shiguti)

Com o coração – Celso Simomura, vice-presidente da Toyota do Brasil, destacou que a seriedade com que foi conduzido o processo de revitalização do Museu encontrou respaldo em outros parceiros, que acabaram se encatando e atraídos pelo projeto. “Mas o trabalho ainda não terminou”, observou Simomura.

Roberto Nishio (Aldo Shiguti)
Roberto Nishio (Aldo Shiguti)

“Falando com o coração”, Roberto Nishio revelou que seu sentimento era de “pura alegria” e “gratidão” a todos que participaram da campanha iniciada pela Toyota.
“Graças aos patrocinadores, conseguimos recursos suficientes para concluir as reformas do 8º andar e ainda sobrou dinheiro para terminar também o 7º andar”, disse Nishio, que se emocionou ao lembrar do ex-presidente da Comissão de Administração do Museu, Ignácio Moriguchi, que faleceu durante a campanha de arrecadação de recursos. Segundo Nishio, o total arrecadado foi R$ 3.450.000,00, provenientes de 35 empresas. Para ele, o sonho agora será iniciar as reformas do 9º andar, cujo projeto, ainda em fase de amadurecimento, prevê a substituição da escada na entrada do salão por uma rampa. “Mas por enquanto é apenas um sonho”, frisou Nishio.

Luiz Álvaro observa moradia dos imigrantes (Aldo Shiguti)
Luiz Álvaro observa moradia dos imigrantes (Aldo Shiguti)

MHIJB possui mais de 97 mil itens
Localizado no bairro da Liberdade, reduto das comunidades asiáticas – em especial a japonesa – o Museu Histórico da Imigração Japonesa no Brasil, da Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social (Bunkyo), é o maior museu sobre a imigração japonesa.
Possui um acervo de mais de 97 mil itens pertencentes aos imigrantes japoneses, tais como documentos diversos, fotos, jornais, microfilmes, livros, revistas, filmes, vídeos, discos LP, quadros de pinturas, utensílios domésticos e de trabalho, alem dos kimonos, que registram a história desses imigrantes aqui no Brasil.
O Museu está localizado no bairro da Liberdade, dentro do prédio do Bunkyo à Rua São Joaquim, 381, ocupando o 7°, 8° e o 9° andares.

Horário de atendimento
Exposição: de terça-feira a domingo, das 13h30 às 17h00
Contribuição adulto:
R$ 16,00
Estudantes com carteirinha: R$ 8,00
Crianças de 5 a 11 anos:
R$ 8,00
Idosos acima de 60 anos: R$ 8,00 (Lei 10.741/2003 – Estatuto do Idoso)

Biblioteca*/Escritório (3º andar)
De segunda a sábado, das 9h às 17h00
*Biblioteca apenas para consulta local
O acervo do Museu só é acessível aos pesquisadores com agendamento prévio, mediante o envio do plano de pesquisas ou de estudos, por email.

Agendamento de visitas monitoradas
(para grupos de 50 pessoas, período de 60 minutos – de terça a sexta-feira)
Monitoria: R$ 130,00
Informações:
(11) 3209-5465 ou 3208-1755 (ramal 117)
E-mail:
museu@bunkyo.org.br

Comentários
Loading...