Associações Hirano de Cafelândia e Shizuoka inauguram novo busto de Umpei Hirano em SP

Comitiva de Cafelândia posa com autoridades junto ao busto (Aldo Shiguti)
Comitiva de Cafelândia posa com autoridades junto ao busto (Aldo Shiguti)

Uma cerimônia singela mas repleta de significados para seus participantes marcou a inauguração do novo busto de Umpei Hirano na praça que leva o seu nome, no bairro do Cambuci (zona Sul de São Paulo). Reparou-se, assim, uma grande bárbarie já que o busto que estava no local – feito em bronze – havia sido roubado. Realizada pela Associação Cultural Agrícola e Esportiva Hirano de Cafelândia em conjunto com a Associação dos Shizuoka Kenjin do Brasil, na manhã de domingo (2), a cerimônia contou com a presença do cônsul geral do Japão em São Paulo, Yasushi Noguchi, do vice-prefeito de Cafelândia, Rogério Antonio Castilho, do subprefeito da Sé, Francisco Roberto Arantes, do presidente da Associação Cultural Agrícola e Esportiva Hirano de Cafelândia, Fábio Yamashita, do presidente da Associação dos Shizuoka Kenjin do Brasil, Nagato Hara, do presidente da Associação Cultural de Cafelândia, Nelson Kiyoshi Murae, do presidente da Federação das Associações Culturais Nipo-Brasileiras da Noroeste, Shinichi Yassunaga, do presidente da Fundação Kunito Miyasaka e vice-presidente do Bunkyo (Sociedade Brasileira de Cultura Japonesa e de Assistência Social), Roberto Nishio, do chefe de Gabinete do vereador Aurélio Nomura, Nelson Watanabe, do vice-presidente do Kenren (Federação das Associações de Províncias do Japão no Brasil), Akira Kawai, do o presidente da Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira de Promissão, Fábio Maeda e do presidente da Federação do Templo Budista Komyoji, Hisaiti Tokumoto, além de uma caravana composta por 36 moradores de Cafelândia.

Inauguração do novo busto contou com a participação do cônsul geral do Japão em São Paulo (Aldo Shiguti)
Inauguração do novo busto contou com a participação do cônsul geral do Japão em São Paulo (Aldo Shiguti)

Por causa do mau tempo – choveu durante toda a madrugada de sábado para domingo em São Paulo – os responsáveis pelo cerimonial decidiram fazer apenas o descerramento do busto – agora de concreto – no local e deixar os discursos para a Associação dos Shizuoka, no bairro da Liberdade, onde já estava marcada a recepção.
Apenas o vice-presidente do Bunkyo, Tomio Katsuragawa, representando o presidente da entidade, Renato Ishikawa, dirigiu algumas palavras aos convidados. De lá, todos seguiram para o Kenjinkai de Shizuoka para a parte formal e onde foi servido o almoço.

Cerimônia prosseguiu na Associação dos Shizuoka Kenjin (Aldo Shiguti)
Cerimônia prosseguiu na Associação dos Shizuoka Kenjin (Aldo Shiguti)

Todos os que fizeram uso da palavra enalteceram e destacaram as tráginas histórias acerca da Colônia Hirano, primeiro núcleo japonês, e de seu fundador, Umpei Hirano.

Fabio Yamashita (Aldo Shiguti)
Fabio Yamashita (Aldo Shiguti)

Abrindo a série de discursos, Fábio Yamashita lembrou que, desde novembro do ano passado, “quando chegou ao nosso conhecimento, o lastimável desaparecimento do busto do fundador, nos sensibilizou a todos”.
“Diante desde fato, não poderíamos de deixar de fazer esta reparação o quanto antes. E hoje estamos aqui, muito honrados em concluir esta reposição com o novo busto, desempenhando a nossa verdadeira missão como descendentes de imigrantes, a de preservar as suas histórias e tradições, mantendo sempre vivo o espírito de bravura, força e coragem que eles deixaram”.

Nagato Hara (Aldo Shiguti)
Nagato Hara (Aldo Shiguti)

Para sempre – Já Nagato Hara lembrou que a Praça Umpei Hirano foi oficialmente inaugurada em 2 de agosto de 1976 e dois anos depois, em 3 de agosto de 1978, a Associação Shizuoka Kenjin do Brasil promoveu a entronização do busto de Umpei Hirano, nascido em 23 de março de 1886, na província de Shizuoka, no Japão, onde se encontra outro busto na cidade de Kakegawa.
Sobre sua morte precoce, aos 34 anos idade, vítima de malária, Nagato Hara parafraseou o “Príncipe dos Poetas Brasileiros”, fundador da Aliança Cultural Brasil-Japão e considerado também o “poeta da Revolução de 32”, Guilherme de Almeida, autor da frase: “viveram pouco para viver bem, morreram jovens para viver para sempre” inscrita no Monumento Mausoléu do Soldado Constitucionalista de 1932. “Dele (Umpei Hirano) pode-se dizer, assim como dizia o poeta Guilherme de Almeida: “viveu pouco para viver bem, morreu jovem para viver para sempre”.
Shinichi Yassunaga lembrou que a inauguração do novo busto acontece no ano em que foi realizada a Cerimônia Memorial aos 100 Anos do Falecimento de Umpei Hirano, realizado o dia 10 de fevereiro, na Colônia Hirano, em Cafelândia.

Novo busto de Umpei Hirano, agora de concreto (Aldo Shiguti)
Novo busto de Umpei Hirano, agora de concreto (Aldo Shiguti)

“Hoje, graças a colaboração do vereador Aurélio Nomura, Tomio Katsuragawa e desses abnegados dirigentes e diretores de associações que aqui se encontram estamos concretizando o tão esperado sonho da comunidade japonesa da Colônia Hirano de Cafelândia”, disse Yassunaga. E finalizou dizendo que “queremos perpetuar a nossa fé e a confiança no destino de nossa terra e a certeza de que, inspirados nos ideais e propósitos dos pioneiros e com a proteção divina, haveremos de construir um Brasil Melhor”.
Roberto Nishio explicou que seu pai, que veio de Hokkaido, também contraiu malária e teve que conviver com uma forte tosse, até vir a falecer, com 59 anos de idade. E frisou que, talvez o desaparecimento do busto tenha sido um sinal para que sua luta tenha continuidade. “Por isso estamos aqui reunidos no dia de hoje, para celebrarmos uma vez mais a sua história”, disse Nishio.

Cônsul Yasushi Noguchi (Aldo Shiguti)
Cônsul Yasushi Noguchi (Aldo Shiguti)

Princesa Mako – O cônsul Yasushi Noguchi destacou sua felicidade de participar da inauguração do novo busto de Umpei Hirano que, “como todos sabem”, frisou, “mostrou muita liderança para levar adiante a colonização em Hirano”.
E lembrou a emocionante visita que Sua Alteza Imperial, a princesa Mako fez à Colônia Hirano no ano passado por ocasião das comemorações dos 110 Anos da Imigração Japonesa no Brasil. Lá, a princesa depositou flores no monumento erigido aos pioneiros colonizadores da Colônia Hirano e cumprimentou todos os presentes, cerca de 260 pessoas que estavam no local. Sua Alteza ouviu um breve relato sobre Hirano e informou ao presidente da associação, Fabio Yamashita, que leu o livro “A Mata das Ilusões”, de Masao Daigo, que conta a vida de Umpei Hirano.
”Desde então, seus moradores estão cada vez mais atuantes graças a esta visita, que uniu ainda mais os corações das novas gerações. Certamente o senhor Umpei Hirano deve estar muito contente com os esforços da Colônia Hirano e a tendência é que a participação cresça ainda mais”, disse.

Vice-prefeito de Cafelândia (Aldo Shiguti)
Vice-prefeito de Cafelândia (Aldo Shiguti)

Encerrando os discursos, o vice-prefeito de Cafelândia disse que seu sentimento era de gratidão. “Sei da importância da importância de Umpei Hirano e hoje é um marco para a Colônia Hirano, que tem sido um exemplo de organização”, afirmou Castilho.

Novo busto – Fábio Yamashita e os moradores da Colônia Hirano, enfim, puderam retornar às suas casas com aquela sensação de dever cumprido. E certamente felizes por terem reparado, que seja, “o desaparecimento” do busto do fundador.
Esta, no entanto, não será a única homenagem a Umpei Hirano. No próximo dia 15, ele ganhará um novo busto, desta vez ao lado de Ryu Mizuno, no Largo da Pólvora, no bairro da Liberdade, onde já estão os bustos de Shuhei Uetsuka e Hachiro Miyazaki.
A cerimônia está marcada para ter início às 11 horas.

Comentários
Loading...