TÊNIS DE MESA: Seletiva no Centro Paralímpico Imigrantes define atletas para a seleção brasileira

Na semana de 29 de janeiro a 1 de fevereiro ocorreu no Centro Paralimpico Imigrantes, em São Paulo, a seletiva nacional masculina e feminina nas categorias Mirim, Infantil e Juvenil, com entrada franca.

Foram várias vagas em disputa para a formação da seleção brasileira, sendo que alguns atletas já são nominados por algum critério da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa, e sempre após as disputas tem ainda outra vaga por indicação técnica, quando eles escolhem baseado no subjetivamente ou aleatoriamente por algum planejamento estratégico, justificado pela entidade e seus técnicos.

Centro Paralímpico Imigrantes sediou a seletiva nacional masculina e feminina. Foto: divulgação
Centro Paralímpico Imigrantes sediou a seletiva nacional masculina e feminina. Foto: divulgação

Na primeira vaga Infantil, no dia 29/01, foram classificados Giulia Takahashi (SP) e Joon Shin (PR). No dia 30/01, mais dois vencedores formarão a equipe nacional para o Campeonato Sul.-americano de menores 2018. Foram eles: Laura Watanabe (SP) e Henrique Noguti (SP).

No dia 31/01, disputaram os juvenis e mirim, com a classificação de Lívia Lima (MS), Rafael Torino (SP), Leonardo Iizuka (SP) e Laira Silva (SC). No dia 1º de fevereiro foram definidos os últimos classificados: Diogo Silva (SP), Thamyres Fukase (SP) e Cesar Meneses (SP)

O caminho para chegar numa seleção brasileira é muito longo, difícil e caro.

Começam com as participações nas Ligas não federadas, como Liga Nipo, Liga do Interior, Liga Vale, Liga do Oeste, Liga Paulista, Circuito Fedeesp BTY e amistosos.

Segunda etapa, precisa federar e começar a jogar os Campeonatos Estaduais e depois Confederar e jogar as várias Copa Brasil e Campeonatos Brasileiros.

Após jogar os eventos da Confederação em várias partes do país, precisa conquistar as medalhas, pontuando e assim, ficando entre os 16 melhores, será automaticamente convocado para a seletiva nacional.

Existem apenas 4 vagas em cada categoria para o Sul-americano e na sequència vem o Latino-Americano (agora Pan-americano), Circuitos Mundiais ITTF (Federação Internacional) e Campeonato Mundial somente na categoria Juvenil.

A busca pelo sonho de jogar uma Olimpíada é ainda mais árdua, planejamentos, treinamentos, experiência internacional e indicação técnica. Por isso, em 30 anos de tênis de mesa nas Olimpídas, tivemos a participação de apenas 16 mesa-tenistas brasileiros: Kano, Kawai, Hoyama, Peixoto, Hanashiro, Tsuboi, Monteiro, Matsumoto, Calderano, Kosaka, Doti, Nonaka, Ligia, Gui Lin, Kumahara e Takahashi.

Comentários
Loading...